terça-feira, 3 de Dezembro de 2013 04:51h Simião Castro

Estação de Tratamento de Esgoto da Copasa ainda não opera com capacidade máxima

A Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) do rio Pará já deveria estar em funcionamento desde 1º de junho, ao menos foi esse o compromisso assumido pelo prefeito Vladimir Azevedo no começo do ano. “No aniversário de 101 anos de Divinópolis vamos ter o início efetivo da despoluição da bacia do rio Itapecerica/Pará”, disse à época.
A realidade, no entanto, ainda não é bem essa. Hoje a ETE recebe apenas o esgoto do Centro Industrial Jovelino Rabelo e do bairro Icaraí. Isso porque, segundo um funcionário da Copasa, as redes de esgoto que devem ligar os bairros daquela região à Estação ainda não estão prontas.
Seis meses depois da data estipulada pela prefeitura para efetivação do funcionamento da ETE a estação recebe apenas cerca de 40% do volume de esgoto previsto, ainda segundo o funcionário. Está sob responsabilidade da estação tratar o esgoto de residências e indústrias dos bairros Icaraí, Candidés, Distrito Industrial, São Simão, Lagoa dos Mandarins, Eldorado, São Caetano e de parte do bairro Primavera.
A Copasa diz, por meio de sua assessoria, que a “Estação de Tratamento de Esgoto da Bacia do Rio Pará (ETE Pará) está em funcionamento, em fase de pré-operação”. Afirma ainda que a obra e execução do serviço de tratamento do esgoto está dentro do prazo previsto de conclusão, mas não especifica que prazo é esse.
O investimento na ETE foi de R$ 9,5 milhões, e ela tem capacidade para tratar 1,3 milhão de litros de esgoto por dia.

Leia Também

Imagem principal

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.