quinta-feira, 3 de Setembro de 2015 10:16h Atualizado em 3 de Setembro de 2015 às 10:18h. Lorena Silva

Estrutura que garante acessibilidade no município ainda não é suficiente

Pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida reclamam de dificuldade de locomoção. Prefeitura diz que procura saber as necessidades para atender às normas

Na semana em que Divinópolis discutiu a inclusão e a acessibilidade de pessoas com deficiência na sociedade, a Prefeitura destacou os espaços públicos que receberam adequações para melhor atender esse público e também aquelas pessoas que possuem mobilidade reduzida. No entanto, o assunto gera dois principais questionamentos: essas adaptações têm sido o bastante para garantir o total acesso da população? A estrutura já feita recebe manutenção do município?
Para o cadeirante Marcos Severino, a acessibilidade no município ainda não é a suficiente. Acostumado a andar sozinho pelas ruas de Divinópolis, ele diz que ainda sente muitas dificuldades ao se locomover e prefere se arriscar em meio aos carros a utilizar as calçadas. “As calçadas não oferecem a estrutura que precisamos. É preciso dar uma arrumada, né? Nivelar elas, colocar mais rampas de acesso”, aponta.
Marcos conta que no Centro até consegue transitar mais facilmente, mas o problema começa quando precisa se deslocar para algum bairro. “Tenho muitas dificuldades de andar no Serra Verde, por exemplo. A poeira e a falta de asfalto dificultam muito”. Além da falta de estrutura, ele diz que também falta respeito por parte da população. “Os [condutores de] veículos param em vagas para deficientes e motoristas passam do lado em alta velocidade”, completa.
Questionada se há algum plano ou estratégia para ampliar a acessibilidade do município, a Prefeitura se limitou a dizer que “em parceria com as entidades representantes de pessoas portadoras de deficiência, busca saber as necessidades para atender às normas de acessibilidade”.

 

ESTRUTURA SEM MANUTENÇÃO
De acordo com o Executivo, nos últimos anos foram construídas rampas em praças, espaços esportivos e unidades de saúde. Exemplo disso é o Ginásio Poliesportivo Fábio Botelho Notini, as praças Benedito Valadares (Santuário) e Nelson Peregrini (Bom Pastor), além dos calçadões construídos na Rua Pitangui e na Avenida Ayrton Senna, no bairro Interlagos.
Nesse último espaço, realmente há rampas de acesso a pessoas com deficiência, porém sem a mínima conservação. Logo no início do calçadão, para quem segue sentido Centro/bairro, a rampa não foi construída com a inclinação necessária e, além disso, está toda quebrada. Quem segue até o final da calçada se depara com uma rampa colocada entre um poste e uma boca de lobo, oferecendo perigo a quem precisa descer do passeio.
A aposentada Elza Caldeira utiliza esse calçadão todos os dias para caminhar, mas reclama da falta de estrutura. Recentemente, ela precisou se desviar de um animal e acabou caindo, por causa de um buraco. “As calçadas aqui estão com muitos buracos e nem dá para fugir para o asfalto, porque lá também tem. Se tapam, em um instante aparece de novo, porque é serviço mal feito. Acho que precisava de uma manutenção melhor da Prefeitura.”
Na Avenida JK, próximo à região dos shoppings, há rampas de acesso, inclusive sinalizadas. No entanto, uma delas está toda quebrada, fazendo com que seja praticamente impossível um cadeirante subir na calçada. Já na Avenida Primeiro de Junho e na Rua Goiás, as calçadas estão cheias de buracos, tocos de árvores e bueiros quebrados, dificultando a circulação dos pedestres e colocando em risco a segurança da população.
Sobre o calçadão da Ayrton Senna e a rampa de acesso na Avenida JK, a Prefeitura informou que a Secretaria de Operações Urbanas vai averiguar a situação. O órgão ainda disse que realiza a manutenção de locais que já receberam estruturas mais acessíveis, “quando existe a demanda”.
Já com relação à Avenida Primeiro de Junho e Rua Goiás, o município respondeu que “a Prefeitura de Divinópolis recebe denúncias e notifica os proprietários dos imóveis que são os responsáveis pelas calçadas para executar reparos. O proprietário do imóvel tem 15 dias se tratar de reconstrução de calçada e, se for construção, tem prazo de 60 dias.”

 

DENÚNCIAS
Ainda de acordo com o Executivo, a Prefeitura oferece dois canais de comunicação para moradores realizarem denúncias relativas a irregularidades em obras. As denúncias podem ser realizadas pelo da Prefeitura ou pessoalmente, no Setor de Protocolo.
“Na internet, vá a www.divinopolis.mg.gov.br. No lado direito da página inicial, é necessário acessar link “Cidadão”. Depois, em “Denúncia Ambiental”, acesse “Obras e Postura” e siga os passos. Já no Setor de Protocolo, o contribuinte deve dirigir-se ao edifício-sede da Prefeitura de Divinópolis, na Rua Pernambuco, n° 60, térreo, Centro, e efetuar a denúncia via protocolo”, explicou o órgão, em nota.

 

 

Créditos: Lorena Silva

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.