quinta-feira, 28 de Janeiro de 2016 08:42h Pollyanna Martins

Feirante é preso durante fiscalização

O homem estava vendendo frutas e verduras na Rua Rio de Janeiro, quando foi abordado pela fiscalização da Prefeitura

Um feirante foi preso na manhã de ontem (27), por desacatar e agredir policiais militares durante uma fiscalização da Prefeitura de Divinópolis, para retirar vendedores ambulantes das ruas da cidade. A ação revoltou internautas, que questionaram a postura da Polícia Militar (PM) e dos fiscais. De acordo com assessoria de imprensa da Prefeitura, o setor de Fiscalização de Posturas da Secretaria Municipal de Planejamento e Meio Ambiente (Seplan), Secretaria Municipal de Trânsito e Transportes (SETTRANS) e a Polícia Militar começaram ontem, a operação que irá retirar os “toureiros” das ruas da cidade.

 


A Prefeitura estabeleceu no ano passado três pontos fixos para que os agricultores pudessem comercializar seus produtos, sendo eles: Rua Mato Grosso, entre Goiás e Pernambuco (em frente às Obras Sociais da Diocese), Rua Rio Grande do Sul, entre São Paulo e Rio de Janeiro (próximo à Copasa), Rua Rio Grande do Sul, entre Pernambuco e Goiás (fundos da Escola Dona Antônia Valadares). O feirante que foi preso estava na esquina das ruas Sete de Setembro e Rio de Janeiro, quando foi surpreendido com a chegada da PM e da fiscalização.
Segundo a PM, o feirante Elton Dehon se exaltou quando os fiscais da prefeitura apreenderam as frutas que ele vendia no local, e durante a abordagem, o feirante arremessou frutas contra os fiscais e os militares, e ao tentar contê-lo, o comerciante continuou desacatando os militares e fiscais “proferindo palavrões e dizendo que policiais gostavam de vagabundo e não de trabalhador, e ainda fazendo menção se os PMs queriam era o dinheiro do feirante”, informou a PM.  A Polícia afirmou também que, durante a contenção, o feirante agrediu uma policial feminina com um chute nas pernas. O feirante foi preso e encaminhado para a Delegacia de Polícia.

 

 


REVOLTA
Logo após o fato, as redes sociais foram tomadas por fotos, vídeos e comentários da ocorrência. Vários internautas ficaram revoltados com a postura dos fiscais e dos policiais militares. Em um dos comentários, um internauta questionou “[A] Situação da cidade já é ruim, o desemprego cada dia maior, se o ser humano não pode arrumar uma forma de ganhar dinheirinho, como vai fazer? [O] povo vai viver na miséria? Essa cidade acabou, não é à toa que todos estão saindo daqui para tentar ganhar vida em outras cidades”. Outro internauta emendou as críticas quanto à postura dos fiscais e militares. “Que cidade é essa onde os fiscais, os agentes de trânsito e, ainda, a polícia prendem 1 (um) feirante? Apenas 1. E os muitos que vendem produtos contrabandeados pela Avenida 1° de junho afora? Por que não prendem? E os índios debaixo do pórtico? Por que não prendem? E aqueles que fazem a feira livre ali na Rua Pernambuco? Entre 1° de junho e Getúlio Vargas? Por que não prendem?”.

 

 


PREFEITURA
A assessoria de imprensa da Prefeitura de Divinópolis informou que todos os ambulantes que estiverem de forma irregular serão retirados das ruas da cidade, e somente os feirantes cadastrados no programa Agricultura Familiar serão encaminhados para a Feira Permanente. Ainda de acordo com a assessoria, a fiscalização continuará até que todos os ambulantes em situação irregular sejam retirados das ruas da cidade, incluindo os “toureiros”.
No fim da tarde a assessoria de comunicação divulgou uma nota onde informa que a fiscalização começou no dia 20 de janeiro. “A fiscalização é prevista no Código de Postura do Município (lei 6907/2008) e atende ao clamor constante da própria população, comerciantes e de entidades representativas de classe para garantir a desobstrução das vias públicas. É importante destacar que todas as ações de fiscalização têm por questões básicas e legais de segurança, o acompanhamento da Polícia Militar. As ações continuam nos próximos dias visando garantir o livre acesso às calçadas e vias públicas”.

 


Com relação a este caso, a prefeitura afirma que “garantiu toda a infraestrutura necessária para que possam continuar vendendo seus produtos. A Prefeitura de Divinópolis selecionou três espaços com barracas padronizadas, alvará de funcionamento (que possibilita a comprovação para aposentadoria) e locais exclusivos, reservados e sinalizados para a feira permanente. Além de garantir mais segurança, visibilidade e conforto para os feirantes, a iniciativa permitirá a melhor organização do espaço urbano e possibilitará ao consumidor encontrar maior variedade de produtos em um mesmo local com aval da Vigilância Sanitária”.

 


A nota ainda explica que: “Desde a criação das novas feirinhas, os ambulantes que não se enquadraram foram notificados pela fiscalização e as apreensões serão efetivadas. Já os feirantes da agricultura familiar da região recebem total atenção do poder público municipal e estão trabalhando normalmente na Rua Mato Grosso, entre Goiás e Pernambuco (em frente às Obras Sociais da Diocese); Rua Rio Grande do Sul, entre São Paulo e Rio de Janeiro (próximo à Copasa) e Rua Rio Grande do Sul, entre Pernambuco e Goiás (fundos da Escola Dona Antônia Valadares)”.
O caso ocorrido ontem, a prefeitura alega que “Foi realizada a abordagem e o responsável pela barraca se mostrou agressivo e precisou ser contido. Ele chegou a agredir fisicamente uma policial e foi conduzido à Delegacia de Polícia, conforme ocorrência registrada pela PM. A Administração Municipal mantém contato com um o grupo representativo destes vendedores buscando aprimorar os resultados obtidos das novas feiras”.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.