segunda-feira, 23 de Fevereiro de 2015 09:46h

Fiscalização no comércio de peixes é intensificada durante a Quaresma

Com a chegada da Quaresma, período do ano que aumenta o consumo de peixes, a Secretaria Municipal de Saúde (Semusa)

Com a chegada da Quaresma, período do ano que aumenta o consumo de peixes, a Secretaria Municipal de Saúde (Semusa), por meio do serviço de Vigilância Sanitária, intensifica as ações de fiscalização dos estabelecimentos comerciantes que vendem este tipo de produto.

Entre os itens que serão observados pelos fiscais da Vigilância Sanitária estão a forma de acondicionamento do pescado e a temperatura que tem que ser de menos 18° para os peixes congelados. O aspecto do produto também será observado. O peixe deve estar firme, não apresentar descamações e nem indícios de desgelo do produto.

O peixe salgado, o bacalhau, também será objeto de fiscalização nos estabelecimentos comerciais.

O principal problema verificado pelos fiscais, neste caso, é a forma de acondicionamento deste produto que precisa ficar local seco, fresco, ventilado, sem incidência de luz solar e o bacalhau deve possuir rotulagem em sua embalagem.

Tanto neste caso, como no do peixe congelado, a orientação da Vigilância Sanitária é que o consumidor fique atento à embalagem e rótulo do produto.

“É nele que contem as especificações e que dá a garantia de procedência do produto que será consumido”, explica a coordenadora do Serviço de Vigilância Sanitária, Andréia Dellarett.

Caso este produto seja comercializado de forma irregular em Divinópolis, o pescado será apreendido pelo Serviço de Vigilância Sanitária e inutilizado. A Vigilância Sanitária também atuará no sentido de orientar os comerciantes para que eles vendam o produto da forma adequada.

Se o consumidor encontrar algum produto sendo comercializado de forma irregular pode entrar em contato com a vigilância pelo telefone 3229-6866 e repassar a denúncia.

“A fiscalização ocorre durante todo o ano e neste período damos uma atenção maior. A intenção é tornar correta a prática da comercialização de peixes e para isso haverá orientações. Nos casos em que forem encontrados produtos impróprios para consumo o produto pode ser recolhido e o comerciante notificado. Todo esse trabalho objetiva sobre guardar a saúde do consumidor na hora de consumir os pescados”, finaliza Dellarett.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.