quinta-feira, 9 de Junho de 2016 13:49h Jotha Lee

Gastos da prefeitura continuam acima da arrecadação

Município fecha primeiro quadrimestre do ano com déficit de mais de R$ 55 milhões

POR JOTHA LEE

jotalee@gazetaoeste.com.br

 

O fechamento das contas do município no final do mandato em dezembro é hoje a grande preocupação do prefeito Vladimir Azevedo (PSDB). Para atender a Lei de Responsabilidade Fiscal, nenhuma dívida corrente da administração atual pode ficar para o próximo prefeito, a ser eleito em outubro, entretanto, as dificuldades de caixa que a prefeitura enfrenta continuam e podem comprometer o fechamento do
mandato.

 


A tentativa do prefeito de reduzir gastos, cortando mais de 40 cargos de confiança, reduzindo investimentos e paralisando obras, ainda não surtiu o efeito necessário e a prefeitura continua gastando mais do que arrecada, conforme mostra o relatório de demonstração de despesa e receita dos primeiros quatro meses do ano publicado essa semana no Diário oficial dos Municípios.
Em entrevista ao Jornal Gazeta do Oeste, Vladimir Azevedo admitiu que o fechamento fiscal é o grande desafio nesses últimos setes meses que tem de mandato. “Acho que o fechamento fiscal, com a crise que o Brasil vive, com a queda de arrecadação, acho que será um grande desafio, mas nós vamos tratar disso com muita transparência, dividindo essa dificuldade e trabalhando para atendermos todas as regras”, garantiu.

 

 


R$ 55 MILHÕES
O relatório oficial publicado essa semana mostra que de janeiro a abril desse ano, a prefeitura arrecadou R$ 184,2 milhões e gastou R$ 209,8 milhões. O déficit do município nesses primeiros quatro meses do ano atinge a R$ 55,3 milhões, quantia que precisa ser coberta até dezembro, o que exigirá mais austeridade até o fim do governo. Entre os gastos, o maior peso está na folha de pagamento que em abril atingiu a R$ 14,6 milhões e nos primeiros quatro meses do ano chegou a R$ 60,5 milhões, 1/3 da arrecadação no período.
Para bancar os juros e encargos da dívida consolidada do município, que está em R$ 91 milhões, foram necessários R$ 4,7 milhões nos primeiros quatro meses do ano. Para amortização da dívida, no mesmo período, o município desembolsou R$ 9,5 milhões. O que chama a atenção é que enquanto o município gastou mais de R$ 60 milhões em quatro meses para bancar o pagamento dos servidores, em investimentos (obras) foram utilizados apenas R$ 7,9 milhões no mesmo período.
Entre as receitas mais significativas, o município arrecadou no período R$ 43,3 milhões em juros e taxas municipais. As transferências do Estado e da União atingiram no a R$ 120,4 milhões

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.