terça-feira, 9 de Agosto de 2016 16:06h Pollyanna Martins

Hospital São João de Deus assina ata confirmando iminência de fechamento

A ata foi assinada durante uma reunião para discutir o acordo coletivo de trabalho e o reajuste do ticket de alimentação e a reposição da inflação

O Hospital São João de Deus (HSJD) assinou na última sexta-feira (5) uma ata onde confirma o risco de fechamento da instituição. O documento foi assinado durante uma reunião com o Sindicato Profissional dos Enfermeiros e Empregados em Hospitais, Casas de Saúde, Duchistas e Massagistas de Divinópolis (Sindeess), para discutir o acordo coletivo de trabalho. A ata foi assinada pelo Superintendente da Fundação Geraldo Corrêa, Afrânio Emílio Carvalho da Silva e cita que, “se não tiver uma decisão entre os entes públicos, o hospital poderá fechar, e que a Promotoria da Saúde (CAO Saúde) está tentando conseguir a viabilidade da continuidade dos serviços do hospital”.

De acordo com a presidente do Sindeess, Denísia Aparecida da Silva, esta é a primeira vez que a direção do hospital cita o fechamento durante um acordo. Conforme Denísia, a reunião foi feita com o intuito de estabelecer o reajuste do ticket de alimentação dos funcionários, e o reajuste de 9,9% do INPC. Diante da negativa do hospital em reajustar os salários e o ticket de alimentação, e ainda da citação da possibilidade do fechamento do hospital, foi feita uma assembleia com os trabalhadores do hospital para informar o que foi discutido na reunião. Segundo a diretora do sindicato, a assembleia foi realizada na manhã de ontem (8), e cerca de 450 trabalhadores participaram. “Eles falaram que vai ter uma reunião no dia 10 de agosto, com o CAO-Saúde, e só no dia 11 de agosto é que vão passar para nós o que será definido”, detalha.

Na ata assinada pela direção do hospital, está especificado ainda que, “se não tiver um elemento de sustentação, a Ordem Hospitaleira e o Ministério Público irão fechar as portas do hospital”. De acordo com Denísia, diante da possibilidade de fechamento e sem um posicionamento do hospital quanto ao reajuste, os funcionários que participaram da assembleia levantaram a possibilidade de uma greve a partir de segunda-feira (15). Segundo a diretora do sindicato, outra assembleia será realizada na sexta-feira (12) e, caso a direção não tenha um parecer positivo para os trabalhadores, a greve será iniciada. “A direção falou que tudo só será resolvido depois do dia 10 de agosto. Fomos para a assembleia, lemos a ata da reunião com a direção, foi relembrado da gestão do Geraldo Couto, da DICTUM, que não fez nada e, no final, todos levantaram a mão quando foi cogitada a greve a partir de segunda-feira”, afirma.

 

PEDIATRIA

 

Funcionários do Hospital São João de Deus (HSJD) denunciaram ontem (8) o fechamento da pediatria. Conforme um funcionário, que preferiu não se identificar, o setor estava trancado com um cadeado na manhã de ontem, e há rumores de que o fechamento será aos poucos, para não alarmar os médicos e a população. “A pediatria estava trancada com cadeado e fecharam um leito do SUS em cada quarto dos setores 4, 6, 1 e 2. Estão fechando aleatoriamente para não dar na cara. Eles [a direção do hospital] não querem alarmar a população e os médicos”, afirmou.

O setor esteve várias vezes em iminência de fechar por falta de medicamentos e atraso no pagamento do salário dos médicos e enfermeiros e é o único setor que atende internação pediátrica, sala de parto e atendimento a recém-nascidos que precisam ficar internados. Em setembro de 2014, um funcionário relatou a situação da pediatria, e afirmou que o setor funcionava sem estrutura. “Falta medicamento. Muitas vezes os médicos prescrevem medicamento e a família do paciente tem que comprar. Cada clínica do hospital está sobrecarregada nos plantões, faltam profissionais de apoio. Se a pediatria fechar, onde essas crianças vão ser atendidas?”, questionou.

Nossa reportagem entrou em contato com a assessoria de imprensa do HSJD, mas, até o fechamento desta edição, não tivemos retorno.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.