quinta-feira, 1 de Junho de 2017 09:06h Luiz Felipe Enes

Junho deve ser com temperaturas dentro da média em toda região

Maio se despediu ontem com mínima de 10°C em Divinópolis. Não há previsão de frio extremo, mas algumas madrugadas vão exigir um agasalho extra

Daqui a 21 dias começa a estação mais fria do ano e a previsão não difere dos outros anos. Frio pela manhã, um pouco de calor à tarde e o ar seco predominando ao longo da estação. Os últimos dias do mês de maio já mostraram uma prévia de como será o inverno de 2017, especialmente em Divinópolis e na região centro-oeste.

Em Divinópolis, o mês de maio foi com temperaturas dentro da média, segundo a meteorologia. A média máxima foi de 27°C e a mínima de 13°C. Segundo dados do Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia) a manhã mais fria foi no dia 13 de maio, quando os termômetros da estação convencional registraram 8,1°C.

O dia mais quente foi seguinte ao dia mais frio. Em 14 de maio a máxima em Divinópolis foi de 30,4°C. A quantidade de chuva que caiu na cidade foi relativamente baixa e o acumulado ficou em 24,6 milímetros. Maio também trouxe outros extremos. A madrugada mais quente foi no dia 16, com temperatura mínima de 18,5°C.

Já em 19 de maio a máxima na cidade foi de apenas 21,2°C. A umidade relativa do ar se manteve na média de 70%. No dia 10 do mês passado a umidade em Divinópolis chegou a 33%, abaixo do recomendo pela OMS (Organização Mundial de Saúde). O índice mínimo recomendado é 60%.

JUNHO E O INVERNO

As estações do ano existem devido aos movimentos de rotação e translação da terra. São gastas 24 horas para que a terra dê uma volta ao seu próprio redor, tendo assim, dias e noites. O movimento de translação é mais demorado e a terra gasta 365 para completar a volta ao redor do sol. É nesse vai e vem que esquenta e esfria.

Tambéminfluenciamno clima as inclinações da terra ao longo do ano. Em dezembro, a terra inclina quase de forma vertical sobre o sol. Nessa época, pode-se afirmar que sol está ‘quase’ em cima do Brasil – No dia 21/12 ocorre o solstício de verão – quando sol ‘passa’ sobre o trópico de capricórnio, em São Paulo. Três meses depois, a terra inclina frente a frente com o sol. Chegamos ao equinócio de outono, quando sol ‘passa’ sobre a linha do equador.

Mais três meses e chegamos ao solstício de inverno – quando o sol ‘passa’ sobre o trópico de câncer, incidindo com maior frequência no hemisfério norte – é verão lá. Associado a esse fenômeno e massas de ar, as temperaturas no centro-sul do Brasil começam a diminuir gradativamente. Para se ter uma noção, basta acompanhar o sol do meio-dia, momento em que está mais alto no céu. Nesse instante [ao meio dia], a sombra projetada aponta sempre para o ponto cardeal sul. Vale ressaltar que tal experimento só vale nesta época do ano [entre outono e inverno].

Segundo o meteorologista do Inmet, Luiz Ladeia, o inverno deste ano deve ficar dentro da normalidade. “Vale lembrar que esse é um período de baixa umidade, variando no período da tarde entre 50% a 35% e de manhã, entre 80 e 95%. Não há previsão de chuvas significativas. Também não há previsão de inverno rigoroso, mas algumas madrugadas, especialmente no centro-oeste do Estado podem se manter na faixa abaixo de 10°C. Nas áreas mais elevadas as temperaturas podem ser mais baixas”, explica.

AR SECO E FRIO

No sudeste e centro-oeste do país, a época é propicia para o tempo seco. Com isso aumentam os casos de queimadas em vegetação e também um aumento nos atendimentos em unidades médicas. Os problemas respiratórios costumam surgir com mais frequência nessa época do ano. Um sistema de alta pressão no sul do país contribui para a presença de um frente fria, o que já causou muita chuva na região.

A previsão é que a frente fria chegue a Minas Gerais até na sexta-feira (2), com menos força, contudo, a massa de ar seco que atua sobre parte do estado associada à frente fria pode ocasionar pancadas de chuvas isoladas em algumas cidades da região centro-oeste, especialmente no sul do Estado. Com o deslocamento da frente fria, é a vez dela se aproximar. A massa de ar polar.

Na sexta-feira ela já derruba as temperaturas no sul do Brasil. Por lá as mínimas devem variar entre 5°C e 10°C. Mas e por aqui? “Sempre que a massa polar avançar no estado, pode ocasionar queda de temperatura. Com as noites mais longa, a perda de calor noturno e o fluxo de ar úmido, ocorre o que chamamos de névoa úmida, que se dissipa com os primeiros raios do sol. Se a massa de ar polar chega com força, também há condições para formação de nevoeiro, o que limita a visibilidade. Isso geralmente ocorre em áreas de baixada”, explicou Luiz Ladeia.

DIAS DE FESTA

Para quem pretende aproveitar os dias de festa durante a 47° DivinaExpo, é bom levar um casaco, pelo menos, por precaução. De acordo com o Inmet/Cptec - Inpe, a aproximação da frente fria causa instabilidades e pode chover isoladamente durante a tarde de sexta-feira. Para hoje, a previsão de temperatura mínima em Divinópolis é de 11°C e a máxima de 27°C.

Na sexta feira (2): mínima de 15° e máxima de 26°C - com possibilidade chuva rápidaà tarde.

No sábado (3): mínima de 10° e máxima de 25°C - sem chances de chuva.

No domingo (4): mínima de 12° e máxima de 26°C - também se possibilidade de chover.

© 2009-2020. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.