sexta-feira, 23 de Outubro de 2015 12:27h

LIRAa aponta “situação de alerta” de dengue

A Secretaria Municipal de Saúde de Divinópolis (Semusa), por meio da Diretoria de Vigilância em Saúde, finalizou os trabalhos do 3º Levantamento de Índice Rápido do Aedes aegypti e do Aedes albopictus, o LIRAa 2015

O trabalho foi realizado ao longo desta semana e foram vistoriados 4.780 imóveis em todas as regiões da cidade.

O LIRAa aponta que o índice de infestação médio do município é de 1,8%. O  resultado coloca Divinópolis numa “situação de alerta” ou “médio risco”, conforme parâmetros do Ministério da Saúde . Este resultado é melhor do que o verificado nos dois primeiros LIRAa de 2015. Em janeiro o índice de infestação era de 3,8% e, em março, chegou a 5,1%, elevando a cidade à condição de alto risco de epidemia de dengue.

“O resultado deste levantamento é o menor dos três realizados neste ano, mas é importante ressaltar que é maior do que o de outubro de 2014 quando ele foi de 0,9%.” Reforça, ainda, “que para que o município não passe por uma grande epidemia no próximo ano é preciso que todos os cidadãos façam a sua parte no controle do mosquito que, além da dengue, está transmitindo a chikungunya e a febre zika também”, comenta Celina Pires - diretora de Vigilância em Saúde.

O LIRAa de outubro revela outros dados importantes quando o assunto são os tipos de recipientes encontrados na cidade e que podem se constituir num foco onde o mosquito Aedes aegypti possa se desenvolver. Depósitos móveis, como vasos/pratos de planta e bebedouros de animais, correspondem a 33% dos desses focos. Depósitos fixos, como sanitários em desuso, calhas, lajes, piscinas, caixas de passagem, ralos e fontes ornamentais correspondem a 24,5% dos focos. Já as caixas d’água, tambores e tanques – denominados de depósitos para consumo doméstico – representam 21,3% e lixos diversos (plásticos, garrafas, latas, sucatas e entulhos) correspondem a 19,1% dos focos de desenvolvimento do mosquito da dengue. Este levantamento não detectou focos em pneus.

 

Infestações

A região central, com 2,93%, e a região nordeste (onde estão bairros como o Niterói, Icaraí, Centro Industrial e Itaí), com 2,86%, possuem os maiores índices de infestação. A região norte (composta por bairros como Afonso Pena, Bom Pastor e Santa Clara), com 1,09%, e a região sudoeste (onde estão o São José e Catalão), com 0,52%, são as localidades com os menores índices de infestação.

O LIRAa apontou, ainda, que 91,76% dos focos onde o mosquito Aedes aegypti pode se desenvolver estão dentro das residências e 8,24% dentro dos lotes vagos.

De acordo com a Semusa, os dados revelados pelo LIRAa de outubro possibilitarão intensificar as ações nos locais com maior presença do vetor. Por meio de ações educativas e de orientação. Além, é claro, do trabalho de campo dos agentes e na adoção de ações estratégicas que visam eliminar os focos onde o mosquito pode se desenvolver.

 

Boletim

Os números desta semana apontam que os casos de dengue em Divinópolis não evoluíram em relação às últimas duas semanas e permanecem os mesmo 1.635 casos confirmados. Já os registros de casos notificados como suspeita de dengue correspondem a 2.077. O número da última semana correspondia a 2.073 notificações.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.