quinta-feira, 19 de Dezembro de 2013 04:33h Simião Castro

Mais de 300 veículos leiloados hoje

Um leilão de veículos apreendidos hoje, no Parque dos Metalúrgicos de Divinópolis, é a oportunidade para quem quer tentar comprar um carro a preços bem mais acessíveis que os de mercado.
Os veículos estiveram em exposição para avaliação presencial desde sexta passada no pátio do Auto Guincho Paulista, espaço terceirizado onde são deixados veículos apreendidos. Hoje os lotes podem ser arrematados somente com pagamento à vista, no leilão que começa às 9h30.
Durante a última semana o movimento no pátio do guincho foi intenso, com dezenas de interessados verificando os 334 veículos à disposição para compra. Os preços são variáveis, assim como as categorias. Tem automóveis, utilitários e motos, recuperáveis ou não. Todos têm lances mínimos definidos.
O motorista, Paulo Antônio Osório, quer comprar uma moto e procura a maior facilidade de adquirir um veículo abaixo do preço no leilão. Mas ele sabe que nem sempre é fácil emplacar o lance vencedor. “Vai muito da sorte. A gente acha que um veículo vai sair caro e às vezes sai por um lance bem menor do que a gente imaginava”. Ele completa dizendo que vai “brigar” para sair de lá com o veículo que quer.
O leiloeiro oficial, Arnaldo Colombarolli, explica que o leilão segue todos os trâmites legais e que os prazos para que os antigos donos dos veículos os procurassem foram cumpridos. Diz ainda que há veículos em boas condições e que qualquer pessoa pode tentar arrematar um lote. Ele valida o argumento de Paulo, de que os preços finais podem ser imprevisíveis. “O [lance do] veículo pode começar por R$ 500, ir [à venda] por R$ 600 ou R$ 2000. É relativo à disputa e à quantidade de gente que estiver disposta a pagar”, comenta o leiloeiro.
O empresário, Wellington Rodrigo Santos, responsável pelo Auto Guincho Paulista aponta razões que levam condutores a abandonar os veículos apreendidos. “Muitos porque estão financiados, mas já não estão pagando, outros por quantidades de multas e débitos que o carro tem.”
Do ponto de vista empresarial, Wellington afirma que o leilão é bom porque esvazia os pátios, abrindo espaços para outros veículos ocuparem. Ele diz ainda que o leilão serve de alerta “para os atuais proprietários ficarem mais espertos. Isso vai mostrar que a lei existe e que é para ver se as pessoas não descuidam dos veículos nos pátios.”

Leia Também

Imagem principal

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.