sexta-feira, 26 de Junho de 2015 10:30h Atualizado em 26 de Junho de 2015 às 10:33h. Pollyanna Martins

Mais de dois mil alunos se formaram ontem no Proerd

O Programa Educacional de Resistência às Drogas (Proerd) já formou mais de 50 mil crianças em Divinópolis

Mais de duas mil crianças se formaram ontem no Programa Educacional de Resistências às Drogas (Proerd), realizado pela Polícia Militar (PM) em 30 escolas de Divinópolis. Durante a manhã, 14 escolas participaram da solenidade e, de tarde, mais de 16. O programa é realizado desde 2000 na cidade e atualmente é coordenado pelo tenente Borges.
Segundo o tenente, o programa tem como objetivo conscientizar os jovens, principalmente crianças e adolescentes, quanto ao uso das drogas. O projeto consiste em dez módulos e é realizado em semestres, nos quais os policiais militares vão até as escolas e abordam o assunto através de palestras. “O programa é aplicado a cada seis meses nas escolas. No próximo semestre, outras escolas inscritas participarão do programa. Hoje nós temos seis policiais militares atuando como professores do Proerd aqui em Divinópolis”, conta.
Durante a formatura, vários alunos receberão uma medalha após serem escolhidos em um concurso de redação. De acordo com o tenente, ao final das aulas o concurso é realizado e o aluno que se destacou recebe uma medalha. O tenente informa ainda que a escola que quiser participar do programa pode ligar no número (37) 3301-0106 ou enviar um ofício ao comandante do 23º Batalhão, tenente coronel Marcelo Carlos. “É essencial essa parceria e nós contemplamos tanto escolas municipais, estaduais ou privadas, todas que têm interesse em participar do Proerd.”
A secretária municipal de Educação, Rosemary Lasmar, esteve na formatura e ressaltou que a secretaria não tem como agradecer o trabalho desenvolvido pela PM nas escolas. “Eu não tenho palavras para agradecer. O povo divinopolitano, os pais, a família têm que agradecer a Polícia Militar, porque é um trabalho belíssimo, é um trabalho grandioso. A Polícia Militar vai para dentro das nossas escolas mostrar para as nossas crianças como ser resistente às drogas. A gente sabe que a droga não é responsabilidade apenas da família, ela é um problema que está instalado na sociedade brasileira e precisa que todos façam a sua parte”, ressalta.

 

Crédito: Pollyanna Martins

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.