sábado, 12 de Março de 2016 06:05h Atualizado em 12 de Março de 2016 às 07:11h. Jotha Lee

Manifestações contra e a favor da presidente Dilma Rousseff marcarão o domingo em Divinópolis

A exemplo do que ocorrerá em boa parte do país, amanhã duas manifestações estão programadas para Divinópolis

A primeira ocorrerá a partir de 9h, na sede do Sindicato dos Trabalhadores Municipais (Sintram), após encontro regional do Partido dos Trabalhadores, que vai discutir as eleições municipais. A manifestação, organizada pelo diretório municipal do PT, vai reafirmar o apoio à presidente Dilma Rousseff e também será um ato contra os últimos acontecimentos envolvendo o ex-presidente Lula. Na quinta-feira, O Ministério Público de São Paulo pediu a prisão preventiva do ex-presidente e mais seis pessoas na denúncia em que acusa Lula de esconder que é dono de um apartamento triplex em Guarujá, no litoral de São Paulo. A defesa de Lula nega que ele seja proprietário do imóvel. A juíza Maria Priscila Veiga Oliveira, da 4ª Vara Criminal de São Paulo, decidirá se decreta ou não a prisão de Lula e se torna réus outros 16 acusados pelo MP na ação. A juíza não tem prazo para tomar essa decisão.

 


De acordo com o presidente do diretório municipal do PT, Renato Delgado, o ato em defesa da presidente Dilma e de desagravo ao ex-presidente Lula, a princípio, ocorrerá nas dependências do Sintram, podendo ocorrer uma decisão durante o evento de haver uma caminhada pelas ruas centrais. “Nossa manifestação será pacífica e vamos decidir durante o ato se haverá uma caminhada pelo centro. Se houver clima para isso, vamos sair nas principais ruas do centro”, explicou.

 

 


O presidente do PT criticou as ações da Operação Lava Jato e garantiu que o combate à corrupção só ganhou força no governo petista. “Parece contraditório, mas o governo do PT foi o que mais combateu a corrupção. A lei da delação premiada foi sancionada pela presidente Dilma. Se você fizer um comparativo das ações da Polícia Federal dos últimos 14 anos, foram mais de três mil ações e nos oito anos do governo do PSDB, só foram 80 ações da Polícia Federal. Então, se tem alguém que combate a corrupção, é o nosso partido, é o nosso governo”, afirmou.
Renato Delgado mostra o descontentamento petista com a Operação Lava Jato e coloca sob suspeita os métodos utilizados. “O senador Aécio Neves já foi citado quatro vezes nas delações premiadas, sequer foi intimado”, questiona. “Está em curso no Brasil a tentativa de golpe, o que o PSDB chama de impeachment para nós é golpe, no nosso entendimento, a operação Lava Jato tem um foco único”, criticou.

 


FORA DILMA
Também amanhã, a partir de 16h, acontecerá na Praça do Santuário a manifestação contra a corrupção e que pedirá a saída da presidente Dilma Rousseff. O movimento foi convocado pelas redes sociais. A organização é atribuída ao Movimento Brasil Livre, de Divinópolis, que tem uma página no Facebook, porém sem informações sobre os responsáveis pela organização do protesto. Até ontem a tarde 366 pessoas haviam confirmado presença através da rede sociail.

 


Embora duas manifestações de caráter distinto estejam marcadas para amanhã, a Polícia Militar (PM) não preparou nenhum esquema de segurança especial. Através da assessoria de imprensa, a PM informou que vai acompanhar todos os protestos e que já vem monitorando as redes sociais desde o início da semana.

 


Ontem, a presidente Dilma Rousseff convocou uma entrevista coletiva para falar sobre os protestos e respondeu ao senador Aécio Neves, que, na quinta-feira, pediu sua renúncia. “Não renuncio. Ninguém tem o direito de pedir a renúncia de um presidente legitimamente eleito pelo povo sem dar elementos comprobatórios que eu tenha, de alguma forma, ferido qualquer inciso da Constituição. A renúncia é um ato voluntário. Aqueles que querem a renúncia estão, ao propô-la, reconhecendo que não há uma base real para pedir a minha saída desse cargo”, afirmou.
Dilma Rousseff lembrou sua participação na luta contra a ditadura. “Eu fui presa, eu fui torturada pelas minhas convicções. Eu devo ao povo brasileiro o respeito pelos votos que me deram. Eu não estou resignada diante de nada. Não tenho essa atitude diante da vida e acredito que é por isso que eu represento o povo brasileiro, que também não é um povo resignado. É um povo lutador, combatente e teimoso”, assegurou.

 


Sobre as manifestações populares previstas para amanhã, Dilma pediu que não haja confrontos. “Faço um grande apelo às pessoas para que sejam capazes de manifestar de forma pacífica. A manifestação é um momento importante do país, de afirmação democrática. Por isso, não deve ser manchada por nenhum ato de violência", observou. “Não cabe a nós perder esse patrimônio da tolerância característico do nosso país”, finalizou.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.