quinta-feira, 15 de Janeiro de 2015 09:32h Atualizado em 15 de Janeiro de 2015 às 09:39h. Mariana Gonçalves

Mato e sujeira tomam conta de praças em diversos pontos da cidade

O ambiente que era para ser espaço de convivência comunitário, de lazer da família e amigos hoje está abandonado

O mato e a sujeira são os principais motivos pelos quais algumas das praças localizadas nos bairros de Divinópolis estão inutilizadas e em total abandono.
Na praça da Rua Mato Grosso, próxima a linha férrea, a vegetação está na altura dos bancos. Um risco para quem frequenta o local. “Hoje venho aqui muito pouco, tem mato demais e às vezes você está sentado e aí aparece uma aranha ou um outro bicho. Está perigoso ficar aqui”, disse a aposentada Maria Adelino Santos.
Na Avenida Brasil, entrada do bairro Icaraí, a praça também aparenta estar esquecida pela Prefeitura. A vegetação alta e o lixo depositado de forma irregular no local tornam o ambiente um espaço feio e triste. As sombras feitas pelas árvores que poderiam estar sendo aproveitadas pela população ficam desperdiçadas em meio à solidão que habita a praça.
Outro ponto que também chamou a atenção foi uma praça no bairro Jardim Candidés. À primeira vista o local se parece mais com um lote vago do que com uma praça. Isso o mato está tão alto que parte dos bancos e mesas característicos da praça já está escondida.
Moradores próximos ao local relatam que poucas vezes o ambiente foi utilizado como, de fato, um ambiente de lazer. Geralmente quem aproveita o espaço são animais como cavalos e vacas. As informações a respeito da propriedade do local são muito desencontradas, pois há quem diga que pertença à Prefeitura, enquanto outros afirmam que um empresário da cidade é o dono do lugar. A situação do espaço já foi alvo de denúncia em matérias anteriores da Gazeta do Oeste, mas mesmo assim nenhuma providência e o lugar agora tem servido só para acumular mato e lixo.
No bairro Alvorada a praça também necessita de mais cuidados. Além da vegetação em excesso, a iluminação do local deixa a desejar, segundo populares. Uma moradora que preferiu não se identificar contou que durante a noite o local é frequentado por usuários de drogas e baderneiros.

 

CONVIVÊNCIA
Praça pode ser definida como qualquer espaço público urbano, livre de edificações, que propicie convivência e recreação para os seus usuários. É importante que os cidadãos tenham consciência de que danificar um equipamento público, nesse caso, contribuir para degradação e destruição do mesmo, é crime previsto em lei.
Durante a apuração dessa matéria observamos quantidades significativas de lixo doméstico despejado nas praças, por isso cabe destacar que caso identificado, o responsável pela ação está sujeito a multa da Secretaria de Meio Ambiente e ainda da Polícia de Meio Ambiente. Além de agredir a natureza, o descarte incorreto de lixo acarreta uma série de perigos à saúde.

 

CONTRATAÇÃO
De acordo com a assessoria de comunicação da Prefeitura de Divinópolis, está sendo finalizada a elaboração de um novo contrato para recrutar profissionais, os quais serão responsáveis pela execução dos serviços de jardinagem da cidade. Ainda conforme a Prefeitura, com o fim do ano a equipe parou, para ser modificada como de é feito anualmente.
Além disso, a assessoria alegou que nos próximos dias os serviços serão retomados e as praças citadas serão colocadas no plano de trabalho da equipe, para que a limpeza seja realizada. Ressalta-se que a manutenção das praças é feita de 40 em 40 dias. Segundo o órgão, em Divinópolis a demanda é para que haja a limpeza de 46 praças e ainda mais dez espaços públicos.
Quanto ao local visitado do Jardim Candidés, a assessoria disse que na realidade ele não se trata de uma praça. O espaço era da Prefeitura, mas foi cedido a uma empresa da cidade por meio de compensação ambiental, tendo ela se responsabilizado por fazer do local um ambiente de uso público. No entanto, isso não ocorreu e agora a Prefeitura tenta buscar contanto com a empresa para saber o motivo do acordo não ter sido posto em prática.

 

Crédito: Mariana Gonçalves

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.