sábado, 1 de Agosto de 2015 09:40h Atualizado em 1 de Agosto de 2015 às 09:41h. Jotha Lee

Média de ocupação dos voos para Campinas é de 80%

Prefeitura já estuda mais um horário para atender à demanda

A linha aérea ligando Divinópolis a Campinas, inaugurada no dia 6 passado, está surpreendendo até os mais pessimistas. Nos meses que antecederam o início das operações, marcados por incertezas e indecisões diante da demora na adequação do aeroporto e nos oito adiamentos de datas previstas, houve duras críticas, especialmente quanto ao horário de partida para Campinas. O vereador Adair Otaviano (PMDB), em pronunciamento no plenário da Câmara, chegou a afirmar que o horário não atenderia ao empresariado, que no seu entendimento seria o segmento mais interessado na ligação aérea com o estado paulista. Para ele, não haveria demanda e a linha aérea atenderia somente a uma pequena parcela de usuários.
O vereador, assim como muito outros que temiam pelo fracasso exatamente em função do horário, terá que rever seu posicionamento. Do ponto de vista de ocupação, os voos são um sucesso, o mesmo ocorrendo nas questões técnicas e operacionais. O voo que chegou ontem, exatamente dentro do horário, transportou 67 passageiros para Divinópolis e retornou a Campinas com 59. De acordo com a Azul Linhas Aéreas, companhia que opera a ligação entre Divinópolis e a cidade paulista, a média de ocupação dos voos é de 80% da capacidade da aeronave, que é de 70 passageiros. Em nota, a Assessoria de Imprensa da companhia assegurou que “a Azul está satisfeita com os resultados apresentados até agora.”
O secretário municipal de Desenvolvimento Econômico, Paulo César dos Santos, comemora os resultados iniciais. “Sem dúvida sabíamos que haveria uma boa demanda, mas a média de ocupação dos voos está superando nossas expectativas”, afirmou. “Já houve dias de lotação completa com destino a Campinas”, garantiu.

 

ATRAÇÃO
O secretário assegurou que a demanda já está superando a capacidade de atendimento aos usuários com apenas um voo diário. Segundo ele, já é pensamento do governo do município fazer um estudo sobre a possibilidade de aumentar o número de viagens. “Se continuar dessa forma, poderemos ter aumento de horários, provavelmente com um voo saindo de Divinópolis pela manhã. Ainda é prematuro dar um posicionamento definitivo sobre isso, mas já estamos trabalhando essa hipótese. Um novo voo depende de entendimentos com a companhia e autorização da Anac [Agência Nacional de Aviação Civil], o que demanda tempo”, afirmou.
O secretário disse ainda que o município considera que a primeira fase de implantação dos voos já está concluída. “Agora vamos entrar numa outra fase, que é de fazer receita para que o aeroporto possa se manter com receita própria. O primeiro passo será licitar o estacionamento e repassá-lo para a iniciativa privada, processo que deverá estar em andamento nos próximos meses”, assegurou.
A movimentação no aeroporto nos dias de voos é intensa. O estacionamento fica lotado, as salas de embarque com todas as cadeiras ocupadas e nos guichês para o check in e vendas de passagens quatro funcionários trabalham ininterruptamente. Chama a atenção o grande número de curiosos que se aglomeram para acompanhar as aterrissagens e decolagens. Ontem, no início da tarde, cerca de 60 pessoas acompanharam a chegada da aeronave. Entre os curiosos, estava o garçom Eduardo José dos Santos, 26 anos, residente no bairro Nossa Senhora das Graças. “A gente fica curioso, quer saber como são os procedimentos e é bacana vir aqui [no aeroporto] para ver o avião de perto”, afirmou.
De acordo com Kennia Campos, coordenadora da Socicam, empresa que administra o aeroporto, 25 dias depois do início da ligação aérea não foi registrado nenhum incidente. “Tudo está funcionando perfeitamente, desde as operações até a parte administrativa. Até agora não houve atrasos nos voos, nenhuma queixa de passageiros e também não tivemos problemas com bagagens”, garantiu.


Crédito: Jotha Lee

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.