terça-feira, 12 de Agosto de 2014 10:50h Pollyanna Martins

Médicos do HSJD continuam sem pagamento

Já são 17 dias de atraso

Os médicos do Hospital São João de Deus continuam sem o pagamento do salário do SUS. A remuneração referente ao mês de junho deveria ter sido entregue dia 25 de julho, mas até hoje eles não receberam.
Além do atraso de salário, 33 cirurgias, que seriam feitas pelo SUS, foram canceladas desde o dia 28 de julho, incluindo procedimentos ortopédicos. Na semana passada o superintendente do Hospital São João de Deus, Afrânio Emílio, confirmou que foi a própria Superintendência do HSJD que determinou a suspensão dos atendimentos.
Segundo uma funcionária do hospital, que preferiu não se identificar, as cirurgias pelo SUS foram canceladas desde a segunda-feira (28) por falta de repasse de verbas. “Estão sendo realizadas apenas cirurgias de urgência e emergência. As cirurgias ortopédicas não estão sendo realizadas porque a Prefeitura não está repassando as verbas para o hospital”, revelou. A Prefeitura de Divinópolis se manifestou através da sua assessoria de imprensa no dia 31 de julho e alegou que tinha até o dia 31 para repassar a verba e que este repasse já tinha sido feito.
Nossa reportagem procurou a assessoria de imprensa do HSJD ontem, que confirmou a falta de pagamento do salário dos médicos, a suspensão do atendimento pelo SUS por falta do repasse de verbas, e ainda que a Secretaria Municipal de Saúde não havia repassado a quantia até então. O superintendente, Afrânio Emílio, disse na semana passada que a diretoria do HSJD iria se posicionar sobre o assunto, mas até hoje nada foi divulgado. A Prefeitura de Divinópolis, através de sua assessoria de imprensa, informou ontem, que “no que se referem ao Município, todos os repasses de verbas correntes para o HSJD estão rigorosamente em dia.”

 

 

 

SEM FGTS
Outro problema que assombra os servidores do HSJD é a falta de depósito do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) nas contas de muitos funcionários. De acordo com uma funcionária que preferiu não se identificar por medo de represálias, o extrato do seu FGTS mostra que, de março de 2013 a março de 2014, apenas os juros foram contabilizados. “Eu trabalho lá há quase 14 anos e o extrato mostra que tem um ano que não é depositado o FGTS, então a gente fica com medo até de fazer algum compromisso com o dinheiro, porque não sabemos o que vai ser da gente amanhã”, lamenta.
A diretoria do Sindicato Profissional dos Enfermeiros e Empregados em Hospitais, Casas de Saúde, Duchistas e Massagistas de Divinópolis (Sindeess), Denisia Aparecida da Silva, disse que o Sindicato está orientando os funcionários que queiram retirar o saldo depositado a recorrerem junto ao Ministério do Trabalho para a liberação do valor correto. “O que está sendo feito é os funcionários entrarem na justiça para conseguir que o FGTS seja depositado corretamente nas contas. Teve gente que saiu de férias, voltou, e ainda não recebeu. O pagamento do FGTS só está sendo feito quando o funcionário é demitido, porque o HSJD é obrigado a pagar”, informa.

 

 

 

Crédito: Pollyanna Martins

Leia Também

Imagem principal

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.