terça-feira, 26 de Janeiro de 2016 09:01h Pollyanna Martins

Menino é internado em estado grave após provável falha no atendimento na UPA

De acordo com funcionários da unidade, o adolescente, de 14 anos, foi picado por uma cascavel, mas não recebeu o atendimento adequado

Um adolescente, de 14 anos, está internado em estado gravíssimo no Centro de Tratamento Intensivo (CTI) do Hospital São João de Deus após ser picado por uma cobra cascavel, e não receber o tratamento adequado na Unidade de Pronto Atendimento Padre Roberto (UPA 24h). De acordo com funcionários da unidade, que preferiram não se identificar, o garoto, que é de Carmo da Mata, deu entrada na UPA por voltas das 18h, neste domingo (24), após ser picado no pé por uma cobra. 

 


O adolescente foi levado para a triagem e, por apresentar ptose (queda da pálpebra superior), a enfermeira que o atendeu o encaminhou para a emergência. De acordo com funcionários da UPA, a mãe e o adolescente não souberam informar se a cobra que havia picado o garoto era venenosa ou não. Após discutir com outros médicos, durante 40 minutos, a médica responsável pelo atendimento do menino decidiu não aplicar o soro antiofídico, e colocou o adolescente em observação no PS1.

 


Conforme funcionários da unidade, o adolescente chegou ao local apresentando sintomas de envenenamento, como fotofobia (condição em que a pessoa não consegue olhar diretamente para luz ou ficar em ambientes claros, pois os olhos são agredidos); hematúria (sangue na urina), entre outros sintomas. Às 19h, foi trocado o plantão da UPA, e os responsáveis pelo plantão da noite informaram na troca do plantão, às 7h da manhã de ontem, que o garoto havia passado a noite bem. Porém, o adolescente já apresentava sangramento, não abria mais os olhos, e conseguiu apenas reclamar que estava com taquicardia, antes de entrar em coma. Uma funcionária da unidade desconfia da versão apresentada de que o garoto havia passado a noite bem. “Como o PS1 só fica lotado, e à noite tem poucos profissionais, eles nem devem ter olhado o menino. Ele deve ter entrado em coma durante a noite, e eles acharam que estava tudo bem”, avalia.

 


Ainda segundo os funcionários, após agravar o quadro de saúde, foram aplicadas no adolescente 20 ampolas de soro, mas ele evoluiu para o quadro de depressão respiratória, ou seja, diminuição da respiração, usualmente, por causas neurológicas. O garoto foi levado mais uma vez para a emergência, onde foi entubado e transferido na tarde de ontem para o Hospital São João de Deus. “Não foi administrado nenhum soro quando ele chegou. A médica achou que a cobra que o picou não era venenosa, mas quando ele chegou à UPA, ele já apresentava sintomas de envenenamento. Ele deve ter ficado uns 40 minutos na emergência com a médica decidindo ainda o que iria fazer”, conta um funcionário. Revoltada com a situação, outra funcionária disparou, “qualquer pessoa que se submete a trabalhar na emergência tem que saber que, na dúvida, o que é feito é questão de custo benefício”.

 


ESTADO DE SAÚDE
A assessoria de imprensa do HSJD informou que o adolescente está internado em estado gravíssimo no CTI adulto, porém, os médicos não passaram mais informações por se tratar de um menor. Apenas a família poderia dar detalhes do estado de saúde do garoto. A nossa reportagem conversou com o pai do adolescente, mas ele preferiu não gravar entrevista.

 


TRATAMENTO
Segundo o técnico de serpentário, Policarpo Nunes, o primeiro procedimento a ser feito em caso de picada de cobra é fazer o teste alérgico no paciente, para que ele não tenha choque anafilático. Após este procedimento, devem ser aplicadas duas ampolas do soro polivalente, e o paciente deve beber muita água. “Quando não se sabe qual cobra que picou a criança, deve ser aplicado o soro anticrotálico-botrópico, chamado soro polivalente, que serve tanto para a picada de jararaca ou cascavel. Em criança, o tratamento deve ser iniciado com duas ampolas”, explica.

 


SEMUSA
A assessoria de imprensa da Secretaria Municipal de Saúde (Semusa) informou que o garoto deu entrada na unidade, mas não soube identificar qual cobra o teria picado. O adolescente ficou em observação e não apresentou nenhum tipo de intercorrência da picada. Ainda de acordo com a assessoria, o garoto só manifestou sintomas da picada na manhã de ontem. O soro então foi aplicado e, em seguida, o adolescente foi transferido para o hospital.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.