sexta-feira, 17 de Junho de 2016 13:22h Carina Lelles

Militares e Civis são homenageados nos 241 anos da PMMG

A solenidade foi realizada ontem com a entrega da Medalha Alferes Tiradentes, Diploma de Colaborador Benemérito e Destaque de profissionais do setor Administrativo e Operacional da Polícia Militar

POR CARINA LELLES

carina.lelles@gazetaoeste.com.br

 

Na manhã de ontem, a 7ª Região da Polícia Militar comemorou os 241 anos da Polícia Militar de Minas Gerais (PMMG). Ao todo, foram 41 Civis e Militares homenageados com a entrega de medalhas, diplomas e placas.

O comandante da 7ª Região da Polícia Militar (RPM), Coronel Helbert William Carvalhaes, ressalta a importância da data. “São 241 anos e temos como patrono o nosso Alferes Tiradentes, que lutou tanto pela liberdade de Minas Gerais e é uma honra está hoje no comando desta unidade intermediária, que tem tanta importância no estado. É um momento de homenagear os parceiros da Polícia Militar, aquelas pessoas que contribuem para o serviço da segurança pública e também os militares, que fazem a diferença nos serviços rotineiros do dia-a-dia. É um momento de festa”.

 

 

 

O comandante do 23º Batalhão da Polícia Militar (BPM) de Divinópolis, Tenente Coronel Marcelo Carlos da Silva, enaltece que a PMMG é uma instituição grandiosa. “São 241 anos cuja história se confunde com a de Minas Gerais, que vem ao longo destes mais de dois séculos levando a proteção e segurança a toda a população do estado. O 23º BPM é uma unidade relativamente nova neste contexto, com apenas 24 anos de existência, também fazendo parte, ajudando a construir uma instituição grandiosa e promover a paz social, mesmo diante de tantos desafios que nos surgem a cada dia. É um momento de reconhecer os nossos colaboradores e nossa tropa, que é uma tropa de ponta, espetacular, disciplinada e se esforça muito em prol da sociedade. Estamos reconhecendo por meio das premiações”.

 

 

 

 

Entre os homenageados, está o presidente da Associação Comunitária para Assuntos de Segurança Pública (Acasp), José Levi. “É de extrema importância o trabalho da Acasp junto às forças de segurança. A Acasp representa toda a classe do bem em Divinópolis. É gratificante receber esta homenagem em nome de toda a sociedade divinopolitana”.

O degelado da Polícia Civil (PC), Fernando Vilaça, também estava presente na solenidade, recebendo a maior condecoração da Polícia Militar, a Medalha Alferes Tiradentes. “Sinto-me honrado com esta homenagem. Sempre tive um bom relacionamento com a Polícia Militar e tenho certeza que as instituições devem trabalhar desta forma para o objetivo comum, que é bem servir a sociedade. Hoje, PM e PC trabalham de forma integrada e a maioria do nosso trabalho é feito em conjunto. Logicamente que cada um tem sua atribuição específica, mas, de forma geral, todas as nossas ações são planejadas e executadas em conjunto”.

 

 

 

Segurança

Para o comandante da 7ª RPM, o país passa por um problema conjuntural. “A criminalidade está avançando. A gente precisa montar estratégias pontuais para estancar a criminalidade e o trabalho tem que ser em conjunto. Temos problemas pontuais em Divinópolis com algumas modalidades criminosas e tem outras que estão havendo reduções, como é o caso do homicídio. Este ano, se comparado com o ano passado, já tivemos a diminuição de 17% nos casos de homicídios”, ressalta o Coronel Carvalhaes.

A opinião é compartilhada pelo comandante do 23º BPM. “Estamos vivendo uma fase difícil em todo o país e isso se deve a questões de valores, inclusive base familiar. Mas estamos buscando fortalecer a instituição a cada dia, em busca do nosso objetivo, que é levar a paz para todas as pessoas”, ressalta o Coronel Marcelo Carlos.

 

 

 

Investimento

“Mesmo neste momento de crise, o Estado está investindo tanto na parte de efetivo quanto na parte operacional. Temos um curso de formação de soldados, que terá início em julho, com 120 novos militares que se formarão em um ano. O estado está adquirindo uma frota terceirizada de viaturas e, a partir do mês de agosto, Divinópolis será contemplada com várias viaturas novas. Este presente é para a Polícia Militar e para toda a população”, revela o Coronel Carvalhaes.

O comandante da 7ª Companhia de Missões Especiais (Ciamesp), Tenente Coronel Marcelo Augusto, revela que a Cia, que está instalada há dois anos em Divinópolis, também receberá reforço. “A Ciamesp tem dois anos de fundação e hoje comemoramos um ano da nova sede e, para nós, é motivo de grande orgulho fazer parte desta instituição. Tivemos uma evolução muito grande da nossa unidade em termos de estrutura e equipamentos. No segundo semestre, temos previsão de novos investimentos, com chegada de viaturas e armamento. Isso nos dá uma condição melhor de atuação para uma melhor prestação de serviço à comunidade”, revela.

 

 

 

Ciamesp

O trabalho da Cia tem destaque no enfrentamento à criminalidade em Divinópolis e toda a região. “A nossa missão principal é atuar contra a criminalidade violenta, principalmente o tráfico de drogas, que acaba sendo o pilar dos demais crimes. No próximo mês, vamos apoiar na segurança na realização das Olimpíadas na capital mineira, que receberá jogos de futebol. Tivemos um aumento de 23% na apreensão de armas, aumento também na apreensão de pessoas e drogas e continuamos com a mesma garra e determinação para dar a resposta que a sociedade merece. A nossa tropa tem uma média de idade de serviço de 15 anos, são policiais mais experientes, que possuem uma bagagem profissional e são militares excelentes, leais e bem treinados, que prestam serviço em Divinópolis e em toda a nossa região”.

 

 

 

População

A população deve se mobilizar para ajudar a combater a criminalidade, como por exemplo, o caso de expandir o “Olho Vivo” para os bairros. “Depende de uma grande mobilização social, as comunidades estarem envolvidas, conhecendo como que funciona e como que elas podem interagir para que isto aconteça. É importante, porque, a partir do momento que tem a comunidade monitorada, o meliante sabe que aquele local já não é propício para o cometimento de crime”, ressalta José Levi, presidente da Acasp.

José Levi ainda destaca que a população deve ser presente e ser ouvida. “A população pode, deve e precisa participar das reuniões da Acasp, que são realizadas toda quarta-feira, às 7h30, na Avenida Antônio Olímpio de Moraes, 293, no Centro da cidade. A população deve levar as suas demandas, mesmo que elas achem que sejam pequenas, porque as grandes só se tornaram grandes porque as pequenas não foram cuidadas. O que a força de segurança puder fazer, com certeza será feito”, destaca.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.