quinta-feira, 12 de Fevereiro de 2015 08:52h Atualizado em 12 de Fevereiro de 2015 às 09:02h. Pollyanna Martins

Moradores do bairro Belvedere II se reúnem em abraço simbólico de nascente

A falta de drenagem fluvial causou uma erosão na Rua Lagoa da Prata

Moradores do bairro Belvedere II estão indignados com a situação da Rua Lagoa da Prata, que margeia a nascente Olhos D’água, em Divinópolis. Com a falta de drenagem fluvial, houve uma erosão na rua e com isto o calçamento está cedendo, levando barro e lixo para a nascente.
Segundo a líder comunitária do Belvedere II, Maria José de Souza Silva, o problema na rua existe há nove anos e a única explicação que o poder público repassa para ela e os outros moradores é esperar as chuvas passarem para começar a obra. “É engraçado porque parece que chove só aqui no Belvedere. Tem três anos que está chovendo aqui, e nós temos que esperar o período de chuva passar. Quando as chuvas acabam, eles [poder público] ficam enrolando e não fazem a obra”, relata.
Os moradores esperam a obra de drenagem fluvial desde 2006. De acordo com Maria José, em época de chuva o calçamento da rua solta e cai na nascente, junto com lixo acumulado. “Eu participei das três licitações que tiveram e por fim eu tive uma crise de choro na última licitação porque isso gera um estresse e a gente não aguenta mais. Com essa falta de água que nós estamos vivendo, a gente não pode deixar acabar com a nascente Olhos D’Água”, diz.
Outro problema que os moradores enfrentam é o alagamento da rua. Maria José acrescenta que durante as chuvas a água desce e acumula na rua, por não ter escoamento. Por causa disto a casa dela foi condenada pelo Corpo de Bombeiros. “Na Escola Municipal José Carlos Pereira a água invade a quadra onde os meninos fazem educação física, já teve dias em que as crianças não tiveram como entrar na escola. Eu chamei o Corpo de Bombeiros e eu tenho o laudo atestando que a minha casa está comprometida. As paredes estão com rachaduras por causa de infiltração. O problema que nós temos aqui é essa drenagem, assim que ela for feita vai resolver o problema do bairro Belvedere”, conta.

 

ACIDENTES
Com a erosão da Rua Lagoa da Prata, os pedestres dividem a passagem com carros, motos e ônibus por falta de calçada. Conforme Maria José, na última semana uma jovem foi atropelada por não ter por onde passar. “Para a gente passar pela rua nós temos que ficar desviando dos carros, porque não tem lugar para a gente passar. Uma moça foi atropelada na segunda-feira passada. A gente divide a rua com barro, carro, moto e ônibus. Um senhor que foi levar a neta na escola caiu no buraco da rua e nós tivemos que segurá-lo, porque se não ele iria ser levado pela enchente. Enquanto não acontecer uma tragédia eles [poder público] não vão arrumar”, lamenta.

 

PROMESSAS
A líder comunitária afirma que a verba para a realização da obra já está liberada e ressalta que o vice-prefeito de Divinópolis, Rodrigo Resende, entrou em contato com ela no dia 29 de janeiro, prometendo o início das obras em até onze dias, porém o prazo não foi cumprido. “As obras estavam incluídas no PAC 1 e não fizeram, aí jogaram para o PAC 2 e ela saiu agora no Pró-Transporte. O vice prefeito me ligou e disse que já tinha assinado a autorização para começar as obras de drenagem. Eu perguntei em quanto tempo elas iriam começar, ele prometeu que daquela data a onze dias as obras começariam, mas até agora nada”, reforça.

 

PREFEITURA
A Prefeitura de Divinópolis, através de sua assessoria de comunicação, confirmou que o vice-prefeito liberou o início das obras, mas será necessário esperar o período de chuvas acabar para executá-las.

 

 

Credito: Arquivo Pessoal
Credito: Pollyanna Martins

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.