sábado, 23 de Janeiro de 2016 03:28h Atualizado em 23 de Janeiro de 2016 às 03:34h. Pollyanna Martins

Moradores do bairro Manoel Valinhas ficam quatro dias sem água

Algumas casas ainda estão sem o abastecimento de água e moradores pedem solução

Alguns moradores do bairro Manoel Valinhas, em Divinópolis, estão sem água há quatro dias. A interrupção começou na última segunda-feira (18), segundo a Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa), em caráter emergencial, devido a problemas eletromecânicos na unidade de bombeamento da Estação de Tratamento de Água (ETA) Rio Pará. Em nota, a empresa informou ainda que “a normalização do abastecimento ocorrerá, de forma gradativa, até o início da noite de hoje (18)”, mas não foi o que ocorreu.
Como a água não voltava para as caixas d’água, internautas foram nessa quinta-feira (21) para as redes sociais e questionaram a situação. Em um post publicado às 11:26h, na quinta-feira, um morador perguntou como estava a situação, e outros internautas responderam que, em algumas casas, o abastecimento já havia retornado, mas em outras não. “Quando saímos de casa, por volta das 07:15h, ainda não havia uma gota sequer saindo das torneiras! Às 9h, liguei pra casa e ainda não havia água! O pior é que nem no telefone da Copasa daqui, nem no 115, eles dão nenhuma informação que preste!”, reclamou um morador do bairro.
O servidor público, Rodrigo Moreira, mora no bairro há três anos e conta que esta é a primeira vez que ficou sem o abastecimento de água. De acordo com Rodrigo, a empresa não emitiu nenhum comunicado aos moradores sobre a suspensão no abastecimento de água. Ele e outros vizinhos ficaram sabendo da interrupção por meio de um grupo no aplicativo WhatsApp. “Não houve nenhuma informação [sobre a interrupção], nós ficamos sabendo através de uma vizinha, que percebeu que estava sem água da rua. Ela nos comunicou pelo grupo de vizinhos que nós temos, mas empresa não informou nada”, reclama.

 


SEM ÁGUA
Na casa de Rodrigo não chegou a faltar água, uma vez que a família é pequena, e eles conseguiram contornar a situação. Alguns vizinhos não tiveram a mesma sorte que o servidor público. A caixa d’água da casa da advogada, Márcia Cristina Gontijo de Souza, estava completamente vazia até a tarde de ontem (22). De acordo com a advogada, ela já registrou 15 protocolos de reclamação na companhia e no último atendimento, o atendente disse para a moradora solicitar um caminhão pipa. “O funcionário foi muito rude comigo e falou para eu pedir um caminhão pipa. Eu já liguei na Arsae e registrei um protocolo, na segunda vez, falaram que quem tem que olhar o meu problema é a Copasa”, relata.
A moradora reclama da prestação de serviço da Copasa, pois a conta de água é paga em dia, para que a companhia forneça o serviço à população. Segundo Márcia, a água da rua voltou, mas não tem pressão para subir até a caixa d’água. A cada ligação que a advogada faz para a Copasa, recebe uma informação diferente. “Algumas casas no bairro têm água desde terça, mas na minha rua não tem. Eu estou ligando lá [Copasa] duas, três vezes ao dia. Cada hora que eu ligo é uma informação. Me falaram que a falta de pressão é o reflexo da manutenção, em outra me falaram que a rede está em manutenção, aí me falaram que a manutenção já acabou e que iam mandar o técnico vir aqui, mas não vem ninguém, e eu não sei o que está acontecendo”, detalha.

 

 


COPASA
Em nota enviada à imprensa na segunda-feira (18), a companhia informou que, além do bairro Manoel Valinhas, os bairros Centro Industrial Cel Jovelino Rabelo, Danilo Passos I, Danilo Passos II, Del Rey, Do Carmo, Doutor José Thomaz, Eldorado, Espírito Santo, Estância do Gafanhoto, Floramar, Grajaú, Halin Souki, Icaraí, Itaí, Jardim das Mansões, Jardim dos Candides, Niterói, Primavera, Residencial Lagoa dos Mandarins, São Caetano, São Geraldo, São Lucas, São Luiz, São Simão, Universitário, Vila Rica e Vila Romana também teriam o abastecimento interrompido.
Nossa reportagem entrou em contato com a Copasa e, através de nova nota, informou que “o abastecimento de água do bairro Manoel Valinhas, em Divinópolis, afetado pela manutenção na unidade de bombeamento da Estação de Tratamento de Água (ETA) Rio Pará, já se encontra restabelecido desde a manhã de ontem (22/01). Caso esteja ocorrendo algum problema pontual, o cliente poderá entrar em contato com a Copasa, por meio do número 115, cuja ligação é gratuita, para que uma equipe seja enviada ao local para avaliar a situação”.
 

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.