quinta-feira, 10 de Dezembro de 2015 09:14h Atualizado em 10 de Dezembro de 2015 às 09:16h. Mariana Gonçalves

Moradores do Quilombo denunciam irregularidades em local de possível aterro sanitário

Moradores da Comunidade do Quilombo, em contato com a equipe de reportagem do Gazeta, denunciaram haver irregularidades no local, que possivelmente abrigará um aterro sanitário

Conforme a presidente do Conselho Comunitário do Quilombo, Adriana Silva, a Viasolo (empresa que realiza o serviço de coleta seletiva da cidade) há algum tempo realizou a compra de um terreno na comunidade e, desde então, está mexendo com a documentação necessária, para a transformação do terreno em aterro. “A população da comunidade não estava sabendo dessa instalação, até então, as informações que temos é que eles deram entrada nos papeis em 2013, mas somente há cerca de trinta dias é que ficamos sabendo disso”, destacou.
De acordo com Adriana, o local não é apropriado para receber o aterro, principalmente por estar próximo de três nascentes e de terrenos cujos proprietários são produtores rurais. “Perto do terreno que a Viasolo comprou, tem produtores de hortaliças e pecuaristas, e alguns deles não estão nem a 200 metros de distância. Além do fato de ter as nascentes, e os produtores utilizarem também essa água”, explica.

REUNIÃO

Na tarde de ontem, foi realizada na sede do Sindicato dos Trabalhadores Rurais, um encontro entre pequenos produtores e representantes da Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado de Minas Gerais (Fetaemg), segundo a líder comunitária do Quilombo, o objetivo da reunião foi passar para a federação as reivindicações dos moradores rurais.

 

 

VIASOLO

Em nota, o Diretor Comercial da Viasolo, Alan Pierre de Espíndula Vieira, informou que “a Central de Tratamento de Resíduos Sólidos (CTRS), a ser implantada no município, é empreendimento privado, cujos investimentos são da ordem de 30 milhões de reais e trarão benefícios para a região, sejam de cunho ambiental, social, econômico e de saúde humana.
A escolha da área passou por criterioso estudo locacional por toda a extensão territorial do município de Divinópolis, e considerou, entre outros, aspectos ambientais e observou plenamente o plano diretor do município. Após esta avaliação, estudos ambientais e de engenharia foram elaborados, com a participação de profissionais, devidamente habilitados de Biologia, Arqueologia, Geologia, Engenharia Civil e Ambiental, entre outros.
Esses estudos então foram reunidos em Estudo de Impacto Ambiental - Relatório de Impacto Ambiental - EIA/RIMA, que, por sua vez, foram submetidos à análise do órgão ambiental competente - SUPRAM - do Governo do Estado de Minas Gerais. O relatório do órgão estadual então, uma vez submetido ao COPAM - Conselho de Política Ambiental –, que possui, entre outros, representantes da sociedade civil, entres eles: Polícia Ambiental, Ministério Público, IBAMA, IEF, IGAM, ONGs, recomenda a emissão da licença ambiental para instalação do empreendimento. Esse é o procedimento legal que vem sendo devidamente cumprido por esta empresa. O projeto, de forma alguma, desobedeceu às normas ambientais. Ao contrário, satisfaz os mais rigorosos padrões técnicos de engenharia de construção de aterros sanitários da América Latina, e será solução ambientalmente correta para tratamento e disposição final de resíduos sólidos da região, gerando empregos e desenvolvimento para a região do Centro-Oeste do estado”.
Por fim, Alan destacou que a Viasolo Engenharia Ambiental S.A. “se coloca à inteira disposição para quaisquer esclarecimentos referentes à implantação do referido projeto, e reafirma seu compromisso, de empresa de engenharia de soluções para a vida. Somos uma empresa a serviço do meio ambiente”, encerra.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.