quinta-feira, 22 de Janeiro de 2015 09:06h Atualizado em 22 de Janeiro de 2015 às 09:09h. Mariana Gonçalves

Moradores se sentem excluídos diante do descaso com Avenida no Interlagos

Como se já não bastasse a falta de infraestrutura do local, os moradores da Avenida do Aço, no bairro Interlagos, agora lidam com o problema do esgoto a céu aberto

Isso porque parte da tubulação se rompeu na semana passada e desde então a população vem cobrando uma solução para o problema.
Segundo moradores, a Companhia de Saneamento Básico de Minas Gerais (Copasa) foi informada da situação e pediu até dois dias para verificar o problema. Após o prazo, nenhum técnico da companhia esteve no local. O esgoto está passando principalmente na porta da casa da cabeleireira Maria Antônia da Costa Camilo.
Além do mau cheiro, os riscos de problemas envolvendo a saúde têm preocupado a moradora. “As minhas duas filhas tiveram dor de barriga esses dias para trás, em partes é culpa do calor e também desse esgoto que é cheio de bactérias e outras coisas que fazem mal à saúde”, conta.
Não ficar em contanto com a água suja vinda do esgoto é quase impossível, porque praticamente toda a extensão da rua abriga as poças de esgoto. “Nós que moramos nessa rua nos sentimos como a parte excluída do bairro Interlagos. Época de eleição os vereadores vêm, fazem matéria, tiram fotos, prometem nos ajudar, mas tudo isso não acontece”, desabafa Maria.
A cabeleira reclamou ainda da falta de luz em um dos postes localizados na avenida. “No dia 15 de dezembro, liguei para Companhia Enérgica de Minas Gerais (Cemig) falando sobre a lâmpada que queimou. Esse mês retornei a ligação e eles falaram que agora é a Prefeitura de Divinópolis que toma conta dessa parte de iluminação, não sendo mais um problema da Cemig. Nisso meu esposo já foi até a Prefeitura e fez um protocolo, estamos aguardando resolver porque é um absurdo ficarmos sem essa iluminação. À noite fica muito escuro, ruim demais para passar.”

 

SEM ACESSO
A realidade do local onde vive não agrada nem um pouco o pedreiro Denílson Ferreira da Silva. “Moro na Avenida do Aço com Rua Gustavo Machado, infelizmente a situação é de descaso. A rua está cheia de mato nesses lotes vagos, inclusive um dos lotes pertence a um servidor público, chefe do setor de máquinas da Prefeitura, e ele nem faz a limpeza do espaço. Além disso, a buraqueira no chão também é terrível, o carro custa a passar e, quando passa, estraga por conta do tanto de buraco. Infelizmente estamos esquecidos aqui. Pagamos todos os impostos em dia, me sinto prejudicado demais”, relata.
Como a rua não oferece boas condições, o caminhão do lixo e até mesmo outros veículos não têm como chegar na porta de parte dos moradores da Avenida do Aço. Sendo assim, muitos pegam o seu lixo e levam para o local onde o caminhão consegue chegar. No entanto, a população reclama do fato dela mesma ter que fazer isso, sendo que todos pagam a taxa referente à coleta do lixo.
Por fim quem mostrou total insatisfação com a situação do ambiente foi a costureira Nayra. “Tem pessoas que custam a subir essa rua, teve uma vez que uma senhora caiu e quebrou a perna, teve até que fazer cirurgia, então é complicado. A sujeira desse monte de lote vago traz doença e animais peçonhentos para as nossas casas e isso é muito preocupante, porque aqui nessa rua tem várias crianças. Eu, por exemplo, não preocupo comigo e sim com os meus filhos pegarem alguma doença por causa dessa sujeira. Os agentes da dengue frequentam direto as nossas casas, mas e quanto à rua? Esse monte de lote sujo eles nem olham. Não adianta limpar só as nossas casas se a rua continua imunda, corremos risco do mesmo jeito”, reclama.

 

NOTIFICAÇÃO
Conforme a assessoria de comunicação da Prefeitura de Divinópolis, em relação à sujeira dos lotes vagos aconselha-se que a população faça uma denúncia formal por meio de protocolo. Esse documento pode ser feito pessoalmente na sede da Prefeitura ou então por meio do portal online do órgão. Ainda segundo a assessoria, de posse da denúncia os proprietários dos lotes serão notificados e, se dentro de um prazo de 15 dias a limpeza do local não ocorrer, o seu responsável estará sujeito a multa.
Agora, sobre a infraestrutura do local, fomos informados de que o Programa Pró- Transporte está atendendo diversas regiões da cidade com obras de pavimentação, no entanto, a Avenida do Aço não está incluída nas vias que serão beneficiadas com o programa. Porém, a Prefeitura coloca à disposição dos moradores a tentativa de realizar o calçamento compartilhado, ou seja, a Prefeitura arcará com uma parte das despesas e a população com outra.
Referente ao lixo, o Assistente de Controle Operacional da Via Solo, Rodolfo Coelho, disse que a orientação da empresa para a população é de que a mesma sempre deixe o lixo na porta de casa, de modo a facilitar o trabalho de remoção. Rodolfo explicou que nem sempre as reclamações envolvendo a coleta seletiva chegam à empresa, por isso problemas que são simples de resolver às vezes acabam ficando sem solução. Em específico na situação citada nessa matéria, nos foi garantido que já nos próximos dias de coleta a população não precisará mais levar o lixo até o caminhão, pois a equipe responsável irá recolher.

 

COPASA
A equipe de reportagem entrou em contanto com a assessoria de comunicação da Copasa na manhã de ontem. Já no fim da tarde recebemos a seguinte resposta. “A equipe técnica esteve na Avenida do Aço, no bairro Interlagos, e executou serviço de correção de vazamento de esgoto. Foi agendado para a próxima semana serviço de rebaixamento de rede para evitar novos vazamentos.”
A companhia salientou ainda que não constava no sistema nenhuma reclamação referente a esse problema. “Os clientes podem entrar em contato com a Companhia pelo 115 ou pela Agência de Atendimento localizada na Rua Rio Grande do Sul, número 888, no Centro.”

 

Crédito: Mariana Gonçalves

Leia Também

Imagem principal

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.