sexta-feira, 20 de Fevereiro de 2015 09:28h Atualizado em 20 de Fevereiro de 2015 às 09:31h. Mariana Gonçalves

Motoristas fazem manobras arriscadas para driblar buraqueira nas ruas

A equipe de reportagem da Gazeta do Oeste percorreu diferentes pontos da cidade para mostrar a situação das ruas em Divinópolis

A buraqueira tem feito com que motoristas se arrisquem realizando manobras perigosas no asfalto.
Esse não é um problema novo. Frequentemente a Gazeta do Oeste traz conteúdo sobre essa situação, que para muitos divinopolitanos tem sido insustentável. Em alguns locais, como na Rua João Notini sentido Niterói, as crateras ficam uma à frente da outra.
Nem precisamos percorrer toda a extensão da Avenida Magalhães Pinto, para visualizar o monte de buracos. Outro local que também chama a atenção é próximo à Gerdau. Devido o trânsito pesado de caminhões é possível ver claramente as imperfeições no asfalto. O local recebe constantemente remendos, no entanto, esse reparo não resiste por muito tempo.
A estrada de acesso ao aeroporto de Divinópolis, que passa pelo bairro Nossa Senhora das Graças, também está cheia de buracos. Em determinadas partes do asfalto os motoristas trafegam até na contramão para sair das crateras. Além desses locais, a Rua Goiás, precisamente na saída da Ponte do Porto Velho, também apresenta esse problema, e ainda em alguns trechos do bairro Afonso Pena, Candelária, Serra Verde, Tietê e Planalto. Nos bairros, a população, em forma de protesto, chega a colocar galhos de árvores nas crateras: uma forma de sinalizar o problema a outras pessoas e também chamar a atenção do poder público municipal para o concerto da via.
O motociclista Ataíde Sousa contou que já se acidentou várias vezes tentando fugir dos buracos. “Já machuquei as mãos, o pulso e até as pernas. Fui fazer um desvio para não cair no buraco e acabei caindo em outro. Quando chove é ainda pior, porque os buracos ficam cheios de água e às vezes você passa até sem ver, e isso acaba com a moto. A minha mesmo já foi para a oficina três vezes por corta de problemas causados por buracos”, diz.
Para Ataíde, a cidade não tem só uma região que sofre com esse problema, todas as ruas do município estão precisando de manutenção. “Trabalho como entregador, então percorro por todos os cantos da cidade e realmente o que a gente vê são ruas bem ruis. As do Centro podemos dizer que são as melhores comparadas às dos bairros”, afirma.

 

PRIORIDADE
De acordo com a Assessoria de Comunicação da Prefeitura de Divinópolis, a Operação Tapa-Buraco é realizada constantemente ao logo do ano, no entanto, como as últimas chuvas fizeram estragos principalmente nas zonas rurais, as máquinas que operam a Tapa-Buraco foram deslocadas para lá. Ainda segundo a assessoria, a prioridade no momento é o reparo dos locais que estão intransitáveis ou que representam risco de vida.
Cabe destacar que a Secretaria de Operações Urbanas mantém um cronograma para as atividades da Tapa-Buracos, porém, o mesmo ficará em atraso até que as obras na zona rural estejam concluídas.

 

 

Crédito: Mariana Gonçalves
Crédito: Lorena Silva

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.