sexta-feira, 11 de Abril de 2014 05:21h Atualizado em 11 de Abril de 2014 às 05:24h. Mariana Gonçalves

“Nem tudo está ruim”, afirma presidente da FIEMG sobre economia da cidade

É do conhecimento da maioria dos divinopolitanos a crise financeira enfrentada recentemente pela cidade.

Reflexos dos problemas econômicos do município, inclusive, ainda estão sendo sentidos pela população e por vários segmentos do comércio.
Em Divinópolis o carro chefe da economia está voltado para o setor de fundição, setor esse que, segundo especulações, não vai nada bem. O presidente da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg) Centro-Oeste, Afonso Gonzaga, apresenta um olhar diferente para a análise desse e de outros problemas que influenciam diretamente a saúde financeira da cidade.
Para Gonzaga, “é importante, nesse momento, fazer uma reflexão, pois, nem tudo está ruim. Temos que fazer uma avaliação global do mercado. No ano passado a China cresceu quase 8%, a Coreia se desenvolveu em 3,8% e o Brasil registrou 2,5% de crescimento. Com isso, percebemos que nosso país foi o terceiro maior do mundo em questão de crescimento. Além disso, temos que levar em consideração que o mundo está em transformação e a crise financeira mundial ainda não passou.”
O presidente da FIEMG diz ainda que existem fortes motivos para crer que logo a situação de mercados como o da fundição irão melhorar, pois os Estados Unidos tiveram no ano passado um avanço de economia também muito importante e significativo para o Brasil. “Ficamos felizes em ver os Estados Unidos melhorando a sua economia, principalmente porque ele é o país que mais importa  ferro gusa do Brasil, especificamente de Minas Gerais e da cidade de Divinópolis. Outro fato que nos serve de base é que a Federação das Indústrias é uma instituição que também emite o certificado de origem. Este ano tivemos um volume de emissão de certificados superior aos emitidos em 2013,  por isso enxergamos essa melhoria na economia. O setor metalúrgico, além de ser importante para nós [para a cidade] ele é importante para todo o país”, complementa Gonzaga.

 

BARREIRAS PARA O CRESCIMENTO
A implantação da Cidade Tecnológica já foi várias vezes noticiada pela Gazeta. O projeto trará para o município a possibilidade de investimentos de alto padrão, além de dar à economia da cidade um gás para se estabelecer. Contudo, a documentação referente ao projeto está na Câmara dos Vereadores para aprovação dos vereadores desde o ano passado.
Questionado sobre se essa demora na votação prejudica os investimentos no município, o presidente da Fiemg diz que entende a demora deste processo, já que a votação desta ação está atrelada à votação do Plano Diretor – realizada esta semana na Câmara. “Temos feito várias discussões nesse contexto, e tenho dito aos nossos vereadores que eles não podem passar por uma legislatura que fique na história como uma legislatura que impediu Divinópolis de ter a oportunidade de um crescimento e desenvolvimento. Sem dúvida alguma a Cidade Tecnológica é a oportunidade de  recebermos novos investidores, além de nos possibilitar buscar outra linha de raciocínio com relação aos avanços tecnológicos e quanto a melhoria da qualidade do emprego si”, avalia. No fim da tarde de ontem, o projeto foi aprovado por doze votos a favor.
Encerrando, Gonzaga ressalta que, mais importante que pensar nos investimentos que podem vir para a cidade, é fortalecer aqueles que já estão instaladas nela. “A intenção é que aqueles investimentos que aqui estão tornem-se cada vez mais fortes. A título de curiosidade, os dados financeiros em termos de arrecadação comprovam que a cidade tem tido, ao longo destes meses, um volume de 10% a mais do que do ano passado. Isso é muito bom.”

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.