quarta-feira, 22 de Abril de 2015 09:41h

Noventa toneladas de potenciais focos de proliferação do mosquito da dengue foram eliminadas

Noventa toneladas de potenciais focos de proliferação do mosquito da dengue foram eliminadas

Um exemplo disso veio do número gerado pela eliminação de potenciais focos de proliferação do mosquito da dengue no período de janeiro a março de 2015.
De acordo com a Diretoria de Vigilância em Saúde, apenas nestes primeiros três meses do ano, foram removidos das residências 91.270 Kg de recipientes diversos, tais como plásticos, garrafas, embalagens entre outros, que se constituem em potenciais criadouros do mosquito da dengue.
Estes materiais foram retirados por meio de uma ação denominada de Arrastões de Limpeza. A iniciativa é realizada em pontos estratégicos da cidade que são mapeados. “Detectamos aqueles casos em que os moradores dos imóveis são “acumuladores”, idosos ou possuem alguma limitação física que os impedem de promover a limpeza dos seus imóveis. Esta ação é importante, pois reduz, sensivelmente, a proliferação da dengue nas áreas onde os Arrastões ocorrem”, defende a diretora de Vigilância em Saúde da Semusa, Celina Pires.
Além de ser importante no combate à dengue, esta iniciativa inibe, ainda, a incidência do mosquito que transmite a febre Chikungunya, sendo efetiva, também, no combate a outras zoonoses.
Nos dados divulgados pela Diretoria de Vigilância em Saúde, o bairro Bom Pastor, no mês de fevereiro, foi a região onde se verificou a maior retirada de objetos que poderiam se constituir em focos da dengue. No total foram 16.000 Kg de recipientes recolhidos. No mês passado foram retirados 12.000 Kg de materiais do bairro Jardim das Oliveiras e 11.000 Kg no bairro Porto Velho.
“Esta ação revela que os focos estão espalhados em todas as regiões da cidade. Daí a importância da vigilância por parte da população que deve se mobilizar para eliminar de suas residências materiais em que o mosquito possa se reproduzir. Vale lembrar, por mais uma vez, que 93% dos focos estão dentro das casas e quintais”, adverte Celina.
Outra frente que começa a ser aberta pela Semusa envolverá empresas e instituições. “Estamos solicitando a alguns locais uma equipe interna para o controle da dengue e iremos treiná-las para auxiliarem no trabalho de identificação e combate aos focos. Entidades como o Hospital São João de Deus, Gerdau, FCA, Cofepe, entre outros, já manifestaram o interesse neste trabalho dentro das suas dependências”, completa Celina.

 

Boletim
De 88, o número de casos confirmados de dengue, de acordo com o boletim divulgado na última quinta-feira (16/04) pela Diretoria de Vigilância em Saúde, subiu para 103. Mesmo sendo 81,5% menor do que o registrado no mesmo período do ano passado, o levantamento aponta que, até o momento, o número de casos notificados como suspeitos é de 422.

 

Crédito: Vigilância Ambiental /PMD

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.