sábado, 19 de Março de 2016 04:48h Atualizado em 19 de Março de 2016 às 04:48h. Jotha Lee

Novo trevo de acesso ao bairro Bom Pastor ainda não tem projeto definido

Secretaria de Transportes se posiciona oficialmente sobre duplicação do anel rodoviário

A duplicação da MG-050, no trecho compreendido pelo ano rodoviário que corta o perímetro urbano de Divinópolis, numa extensão de 14 quilômetros, se transformou em uma queda de braço entre os moradores da região nordeste da cidade e a concessionária da rodovia, a AB Nascentes das Gerais. A primeira etapa da duplicação do anel atendeu à região do Bairro Vila Romana e, além das novas pistas, foi construída uma segunda ponte sobre o Rio Itapecerica. A segunda fase, iniciada em agosto do ano passado, prevê obras do trevo de acesso ao Bairro Bom Pastor até o entroncamento com a BR-494, sentido Nova Serrana.

 

 


Em dezembro de 2014 a concessionária apresentou o projeto desta segunda fase da duplicação e desde então, moradores da região Nordeste, que concentra mais de 10 bairros com uma população calculada em 30 mil pessoas, discordam do projeto original apresentado pela Nascentes das Gerais. Uma comissão de moradores já manteve várias reuniões com o secretário de Estrado de Transportes e Obras Públicas, Murilo Valadares, tendo recebido a promessa de que a obra só terá continuidade se houver consenso.

 


A última reunião com o secretário ocorreu no dia 21 de janeiro desse ano e na ocasião, a Comissão representativa dos moradores da região nordeste entregou um documento a Murilo Valadares, no qual foram relacionadas as principais reivindicações da população. O secretário recebeu um documento, através do qual os moradores informam que “o projeto de duplicação apresenta incorreções quanto à mobilidade urbana, quanto à acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência física e quanto ao acesso de motoristas e pedestres aos bairros adjacentes ao anel rodoviário”. Ainda através do documento os moradores afirmaram que “o traçado de vários trechos propostos irá expor ainda mais os usuários a riscos de graves acidentes”.

 


MUDANÇA NO PROJETO
O secretário Murilo Valadares garantiu aos moradores da região nordeste que todas as reivindicações seriam analisadas e, como uma das primeiras consequências, parte do projeto já foi alterada. Embora a Secretaria de Transportes e Obras Públicas (Setop) tenha determinado a alteração do projeto inicial, os moradores ainda não estão satisfeitos e agora querem que o projeto do único acesso à região nordeste, localizado na altura do trevo do Bairro Bom Pastor seja substituído por outra planta. O projeto pretendido pelos moradores já foi elaborado, porém ainda não foi oficialmente levado à Setop.

 


Enquanto os moradores querem mais essa alteração, a Setop se posicionou oficialmente sobre a duplicação do anel. Em nota enviada ao Jornal Gazeta do Oeste, a assessoria de imprensa da Setop informa que “atualmente existem no trecho entre o acesso ao bairro Bom Pastor pela Av. JK e o acesso à Nova Serrana, pela Rodovia BR-494, três frentes de obras previstas”. As obras da chamada “frente número 3” estão em pleno andamento e se concentram no entroncamento para a BR-494, acesso para a BR-262, Pará de Minas e Nova Serrana.

 

 


Para a execução da “frente número 2”, cujo início ainda não tem data prevista, já foram feitas as desapropriação dos terrenos necessários para a duplicação, que vai do quilômetro 123,7 ao 125,1. De acordo com a Setop, as obras nesse trecho ainda não foram mobilizadas, em razão da alteração do projeto original.

 


“O trecho em questão se refere à continuidade das obras de duplicação iniciadas em Divinópolis e que, nesse trecho específico, está relacionado às obras de duplicação e implantação de nova interseção em dois níveis na rodovia MG-050, na altura da Rua Ibirité”, explica a nota da Setop.

 


Ainda através da nota oficial, a Secretaria esclarece que “conforme os resultados das reuniões entre Setop, DER, Prefeitura Municipal de Divinópolis, associações de moradores e representantes locais dos bairros da região, como Serra Verde e Alvorada, ficou acordada a alteração do projeto inicial previsto no contrato. Pela nova concepção caberá ao Poder Público estadual arcar com os custos adicionais da obra e parte dos custos de desapropriação (referentes à estimativa de custos do projeto anterior) e à Prefeitura Municipal, com os valores excedentes de desapropriação em função da alteração do projeto. Os projetos executivos de engenharia já estão contratados e em andamento pela Concessionária AB Nascentes das Gerais”.

 


A chamada “frente número 1”, a última a ser executada nessa fase da duplicação, é a que está causando novas reivindicações dos moradores dos bairros da região nordeste, entre eles Candelária, Oliveiras, Dona Marta e Fonte Boa. Os moradores já encomendaram um novo projeto para o trevo de acesso ao Bom Pastor, pela Avenida JK, que também será a principal passagem para a região. Segundo a Setop, não há previsão de início das obras, acrescentando que “em relação ao projeto do acesso pela Avenida JK, existem três projetos em análise, um apresentado pela Concessionária e outros dois pelas lideranças comunitárias”.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.