sexta-feira, 8 de Janeiro de 2016 12:40h Atualizado em 8 de Janeiro de 2016 às 12:45h.

Operação de Guerra contra Aedes Aegypti

Agentes de Saúde são capacitados para eliminar criadouros do Aedes aegypti

Cerca de 100 agentes comunitários de saúde (ACS) da Diretoria de Atenção Básica participaram durante todo dia de hoje (08/01) de uma capacitação realizada na Escola Municipal Olímpio de Oliveira no bairro Tietê. A partir da próxima semana, juntamente com os agentes de combate as endemias, esses ACS irão compor uma força tarefa montada pela Secretaria Municipal de Saúde de Divinópolis (Semusa) que irá intensificar o combate ao mosquito Aedes aegypti na cidade.

Essa força tarefa, nos próximos 60 dias, irá vistoriar os 113 mil imóveis existentes na cidade procurando e eliminando os focos onde o mosquito Aedes aegypti possa se desenvolver. “Essa é uma operação de guerra e em toda guerra precisamos de aliados e neste momento nós trazemos para trabalhar com os agentes de controle de endemias os agentes comunitários de saúde. A participação dos ACS é importante pela facilidade de acesso que eles já têm na comunidade onde trabalham de entrar nos imóveis e passar as orientações para as famílias e também de fazer o trabalho de eliminação de depósito onde o Aedes possa se desenvolver”, explica Celina Pires – diretora de vigilância em saúde.

De acordo com a coordenador da Atenção Primária, Mary Alves Sant”Anna Vieira, o momento é de unir forças para combater esse vetor que é o causador da dengue, Zika vírus – que vem sendo apontado pelo surto de microcefalia no Brasil – e da febre chikungunya.  Mary também destaca que o mesmo ACS que faz o contato nas ações da Saúde da Família é o mesmo que irá visitar as casa da população no combate ao Aedes aegypti. “A população receberá na sua casa os agentes comunitários de saúde da sua área de abrangência onde é ESF serão os mesmo e nas outras áreas será o agente de endemias que já faz o acompanhamento rotineiro nas casas. Todos estarão identificados por uniformes e crachás; além de serem já conhecidos da população”, diz Mary.

 

Instrução

A capacitação dos ACS se dividiu em dois momentos. No primeiro a enfermeira Flávia Fernanda de Oliveira Queiroz fez um detalhamento de todas as doenças causadas pelo Aedes aegypti, apontando seus sintomas. Na sequência os ACS foram divididos em grupos onde foram repassadas orientações quanto ao preenchimento de formulários que irão servir para fornecer dados estatísticos deste trabalho. “Nós temos uma vantagem que é conhecer e ter vínculo com a nossa população. Isto facilita o trabalho de eliminação dos focos”, pontua Junia Teodo – ACS do Bairro São Roque.

A previsão é que sejam vistoriados 3.500 imóveis por dia. Os 113 mim imóveis da cidade serão vistoriados duas vezes por esta força tarefa. “Mesmo com a realização deste trabalho é necessário que a população retire, no mínimo, 10 minutos por semana para fazer essa vistoria nas suas residências e eliminar os possíveis focos do mosquito”, conclui Celina.

 

Portaria

Esta iniciativa da Semusa vai de encontro ao que estabelece a Portaria de Nº. 2.121, do Ministério da Saúde, publicada no dia 18 de dezembro último, e que autoriza os municípios a destinarem os ACS para este tipo de ação no combate a dengue.
Entre outras coisas a portaria estabelece que os agentes discutir e planejar de modo articulado e integrado com as equipes de vigilância ações de controle vetorial e encaminhar os casos identificados como de risco epidemiológico e ambiental para as equipes de endemias quando não for possível ação sobre o controle de vetores.

Nos casos em que ocorrerem à necessidade de realizar o tratamento com larvicida ou utilização de bombas costais este trabalho será realizado pelos agentes de controle de endemias.

Créditos: Rodrigo Dias

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.