quarta-feira, 3 de Fevereiro de 2016 08:46h Atualizado em 3 de Fevereiro de 2016 às 08:53h. Mariana Gonçalves

Operação tapa-buracos está sendo realizada a “passos de tartaruga”

Coincidência ou não, um dos poucos lugares, quiçá o único lugar, da cidade que não está tomado por buracos é a região central

Não precisamos ir nem tão longe para verificar o péssimo estado das ruas de Divinópolis, na semana passada, o Gazeta do Oeste também falou sobre o assunto, abordando as medidas paliativas da Prefeitura e os improvisos feitos pela população para poder amenizar as crateras no asfalto. Na ocasião, a assessoria de comunicação do órgão alegou que, devido ao período chuvoso, medidas definitivas não poderiam ser tomadas, mas que logo após as chuvas cessarem, a operação tapa-buraco retomaria suas atividades, já colocando a massa asfáltica no chão. Observamos que, de fato, existem equipes da Emop nas ruas, no entanto, até que a operação chegue aos locais de maior caos, irá demandar tempo. Os trabalhos foram iniciados no Bom Pastor, e passados para o Centro, encontramos com alguns trabalhadores ontem durante a tarde fazendo a recuperação do asfalto da Rio de Janeiro, quase saindo para a MG-050. Fato é que a cidade concentra locais de maior fluxo de veículos e que estão em situação lastimável, por exemplo, a Rua Dolores Rabelo, no Interlagos, partes da Ayrton Senna, Rua Duarte sentido Planalto – neste bairro há diversas ruas com problemas de buracos. No Esplanada, acesso que vai para o bairro Dom Pedro I e Copasa, Itamarandiba, Alvorada e continuação da via no Serra Verde, Magalhães Pinto, no Niterói, Goiás acima da ponte no Porto Vellho – citamos aqui apenas alguns dos pontos visitados por nossa equipe, mas sabemos que para todos os lados da cidade o problema chega a ser até pior.

 


Pela rede social Facebook, alguns divinopolitanos postaram fotos de ruas com verdadeiras crateras, umas até sinalizadas por tijolos e pedras, outras com terra improvisada pela própria população. A indignação descrita em redes sociais é única e clara – os cidadãos exigem uma Divinópolis melhor, nem todo mundo mora no Centro e nem só a população residente na região central é que paga imposto.

 

 

INSEGURANÇA

Com tanto buraco é até difícil saber em qual não cair, fora as manobras arriscadas que os motoristas estão fazendo para driblar a buraqueira, um ato que, além de colocar em risco a sua própria vida, traz um tom de insegurança a pedestres. No Planalto, enquanto fazíamos um registro fotográfico da via, o senhor Marcílio Santos se aproximou da equipe de reportagem e relatou que o filho foi atropelado há cerca de um mês, e o motivo foi uma manobra de um carro que tentava sair dos buracos. Por sorte, o filho de Marcílio não teve ferimentos graves. “Eu sei que não é culpa do motorista, porque a gente trabalha tanto pra ter um carro, e quando tem, a situação das ruas faz a gente ter que desembolsar mais com conserto dele. Mas, ao mesmo tempo, eu fico pensando no meu filho, que quase sofreu um acidente pior, com machucados piores, porque a rua, que é uma obrigação da Prefeitura conservar – pagamos impostos para isso, são impostos caros- está nesse estado calamitoso”, frisou.

 

 


PREFEITURA

Em nota, a assessoria de comunicação da Prefeitura destaca que “a operação tapa-buracos está no quadrante da área central, partindo para os bairros.”.
Ainda em nota, a Prefeitura afirma que “são três equipes de trabalho que obedecem a um cronograma da Secretaria de Serviços Urbanos” e que “todos os bairros receberão os serviços de tapa-buracos.”.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.