quarta-feira, 1 de Julho de 2015 10:18h Atualizado em 1 de Julho de 2015 às 11:05h. Pollyanna Martins

Ordem dos Advogados do Brasil de Divinópolis lança “Movimento Mais Mulheres da Ordem”

Em Divinópolis, são inscritos quase 1,5 mil advogados na Ordem e apenas 39% são mulheres

A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) de Divinópolis lançou no dia 19 de junho o “Movimento Mais Mulheres na Ordem”. A iniciativa segue as determinações da I Conferência Nacional da Mulher Advogada, realizada no dia 25 de maio, em Maceió, que foi acompanhada pelas advogadas Elissiane Campos Pimentas e Iraê Silva de Oliveira. Durante a Conferência, foi elaborada uma carta com as metas a serem seguidas pelas OABs de todo Brasil.
No documento, foi ressaltada a função institucional da Ordem na luta pela efetivação da igualdade de gênero e respeito às diversidades, a eliminação de todas as formas de discriminação e a promoção de igualdade entre homens e mulheres, reafirmando, assim, o papel essencial das mulheres advogadas na concretização do Estado Democrático de Direito. A advogada Andrea Borges é coordenadora da Comissão da Mulher Advogada da OAB-Divinópolis e é umas das responsáveis por implementar o projeto na cidade. Segundo a advogada, atualmente há 1.493 advogados inscritos na OAB em Divinópolis e, destes, há apenas 593 mulheres. “Nós temos um quadro hoje bem representativo, nós somos hoje 39% dos inscritos na subsessão, mas em termos de participação nós estamos ainda de forma bem acanhada, precisamos avançar”, avalia.
A advogada ressalta que o Movimento tem como objetivo fazer com que as advogadas participem mais da OAB e traga humanização para vários âmbitos da advocacia. “O lado humanitário, por exemplo, é como um fórum no sul do Brasil, que implementou fraldário, espaço para amamentação, um banheiro digno para homens e mulheres usarem. Hoje, nós não temos nada disso nos fóruns. Nós queremos trabalhar para isto, para o lado humanitário. Nós vamos ter a nova sede do fórum e a gente quer este lado reservado para este tipo de atendimento”, explica.

 

CONFERÊNCIA
Ficou estabelecido na Conferência que o Movimento deve participar das campanhas de ampliação de participação das mulheres nos espaços de poder, intensificando o apoio ao “Mais Mulheres na Política”, promovido pela Justiça Eleitoral; apoiar projetos de combate a violência contra a mulher, considerando uma grave violação aos direitos humanos; promover o conhecimento em caráter multidisciplinar da Lei Maria da Penha, colaborando com sua efetiva implementação. Em Divinópolis, são cinco advogadas que fazem parte da Comissão da Mulher Advogada, que estão dispostas a executar os quesitos estabelecidos durante a Conferência. “A Lei Maria da Penha quando a gente fala, a gente é automaticamente [levada] a pensar na classe C, mas nós temos violência contra mulher em todas as classes. Não existe classe social. A gente tem que trabalhar mesmo, e levar para as mais necessitadas e para as colegas de trabalho também, porque é difícil lidar com isso”, ressalta.
Outro item estabelecido na carta é a ampliação dos debates sobre a igualdade de gênero e a participação das mulheres no espaço do poder. A coordenadora da Comissão avaliou os quesitos estabelecidos pela Conferência como importantes para acompanhar as transformações sociais que o Brasil passa atualmente. “Esse compromisso que foi assumido na Conferência eu achei muito importante, porque está de acordo com a legislação, com os direitos humanos, e com tudo o que o Brasil está passando.”

APOIO
Andrea destaca ainda o apoio do presidente da OAB-Divinópolis, Íris Almeida, e do vice-presidente, Carlos Alberto Faustino. “O presidente da OAB e o vice-presidente nos apoiaram e não mediram esforços para a gente fazer o café de lançamento do movimento em Divinópolis. Nós, mulheres, vamos nos reunir depois, toda segunda sexta-feira do mês, para fazermos o nosso estatuto e a nossa carta, tudo com o apoio da OAB”, conclui.

 

Crédito: Pollyanna Martins

Leia Também

Imagem principal

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.