quarta-feira, 9 de Março de 2016 09:45h Mariana Gonçalves

Ovos de Páscoa artesanais conquistam o paladar dos divinopolitanos

A cada ano, os consumidores estão deixando de lado os ovos de Páscoa vendidos em supermercados principalmente devido ao alto custo e procurando o sabor em produtos artesanais e caseiros

Com isso, os pequenos produtores vêm se destacando na cidade, a inovação não está apenas no formato do doce, mas também na mescla de sabores, conforme conta a confeiteira, Bruna Carla. “O ovo de colher e o ovo trufado têm tido grande saída. Esse ano, estamos trabalhando com vários sabores, como leite ninho, morango, brigadeiro, confete, abacaxi, mousse de morango, mousse de limão e paçoca”, diz.
Os ovos com temas de personagens infantis também são novidade. “Da Frozen e dos Minions, coloco brindes surpresa dentro para as crianças, e até mesmo no de adultos”, acrescenta Bruna.

 


O tamanho do ovo varia de acordo com o gosto do cliente, tem o de 1 kg, para os amantes do chocolate, o de 250g, para aqueles que preferem uma quantidade razoável de chocolate, dentre outros tamanhos. Os preços vão de R$10 a R$60, ou seja, se ajustam em todos os bolsos. “A decoração também pode ser a gosto do consumidor, escrevemos mensagens em cima do ovo, como pedidos de namoro, casamento ou mesmo felicitações de Páscoa e nomes”, destaca a confeiteira.
No ano passado, a confeiteira produziu em torno de 300 ovos, para esse ano, a expectativa é ter o mesmo número de vendas.

 

 

QUALIDADE

Por se tratar de produtos alimentícios e artesanais, Bruna avisa que só faz os ovos por encomenda – respeitando o prazo de validade de cada item usado, por isso, aquela velha mania de deixar tudo para a última hora pode não dar certo. Por falar em encomendas, o contato para pedidos é o 37 9 8848 0512 ou 3016 1634, no Facebook, basta procurar por Bomboniere Bruna Carla.

 

 

 


OLHO NO MERCADO

Apesar de haver uma esperada retração no consumo em relação ao ano passado, segundo a Associação Brasileira da Indústria de Chocolates, Cacau, Amendoim, Balas e Derivados (Abicab), as crianças podem ficar tranquilas: vai ter bastante chocolate na Páscoa!
A tendência para este ano é que os consumidores apenas optem por comprar produtos em chocolate de menor peso e que estejam mais em conta, já que a expectativa no mercado é que haja um reajuste nacional entre 10 a 15% nos preços, em comparação ao ano passado.

 


De acordo com o IPC Maps, a venda de produtos em chocolate pode chegar a movimentar R$ 2,7 bilhões em todo o país e será a classe C a grande responsável pela expectativa de bom faturamento. Ainda segundo o estudo, espera-se que mais de 40% do faturamento da data que se aproxima seja arrecadado por esta fatia do mercado.
O Brasil é o terceiro maior consumidor e produtor em chocolates do mundo, ficando atrás só dos Estados Unidos e Alemanha, com consumo per capita de 2,5 kg/ano. Ou seja, um mercado cheio de possibilidades e que está longe de perder o fôlego.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.