quinta-feira, 17 de Dezembro de 2015 09:41h Atualizado em 17 de Dezembro de 2015 às 09:43h. Pollyanna Martins

Paralisação dos pediatras do HSJD vai aumentar em 20% o atendimento na UPA

Semusa se prepara para que a procura por atendimento pediátrico urgência/emergência na unidade aumente de 20 a 22%

A paralisação dos pediatras do serviço de urgência e emergência do Hospital São João de Deus (HSJD) vai refletir diretamente na Unidade de Pronto Atendimento Padre Roberto (UPA 24H). A Secretaria Municipal de Saúde (Semusa) espera um aumento de 20 a 22% na procura de atendimento pediátrico de urgência/emergência na unidade. Os pediatras do HSJD paralisaram suas atividades na última sexta-feira (11), alegando atraso de dez dias no pagamento do salário.
O serviço foi reativado em julho deste ano, junto com a clínica médica, após ficar dois anos paralisado. No início, o serviço atendia apenas urgência/emergência para usuários do plano São João de Deus Saúde, mas se estendeu a outros planos e consulta particular também. Quem assumiu a negociação para a reabertura do setor foi a Unimed. O coordenador da pediatria, e diretor do plano, afirmou na época que a Unimed arcaria com os salários dos médicos. Segundo o pediatra, há dois meses, o hospital assumiu a folha de pagamento dos médicos e começaram então os atrasos. Os 15 profissionais que trabalhavam no setor ainda não têm data para retomar os serviços.
De acordo com a diretora de urgência e emergência da Semusa, Cristiane Silva Joaquim, na unidade são feitos cerca de 65 atendimentos pediátricos por dia, o que caracteriza aproximadamente dois mil por mês, enquanto no HSJD são feitos 400 consultas pediátricas mensais. A diretora informa que a Semusa está se preparando para o aumento deste atendimento. “Não quer dizer que estes 13 pacientes que são atendidos por dia no HSJD vão para a UPA, mas provavelmente vai haver um aumento com a paralisação, porque a porta de entrada de pronto atendimento na pediatria não tem o plantão 24 horas em alguns hospitais. Não quer dizer que toda a demanda vá para a UPA, mas parte dela certamente irá”, explica.
Na unidade, há dois pediatras de plantão, 24 horas, todos os dias. Conforme Cristiane, das 65 crianças que são atendidas diariamente na UPA, aproximadamente cinco ficam aguardando vagas de transferência para internação em algum hospital. O fato de o setor de internação do hospital ainda estar em funcionamento ajuda a unidade. “O número de crianças que precisam de internação hospitalar não deve aumentar muito, deve aumentar apenas um ou dois casos. O atendimento pediátrico é muito específico, e aumentar 12 ou 13 crianças por dia gera uma sobrecarga para o serviço, de certa forma, isso vai gerar tumulto”, ressalta.

 

COMISSÃO
O vereador Edimilson Andrade (PT), presidente da Comissão de Saúde da Câmara dos Vereadores de Divinópolis, ressaltou que o grupo está monitorando a situação da pediatria, para que não falte atendimento pelo SUS. “O que fechou no Hospital São João de Deus foi o atendimento de urgência e emergência para planos de saúde e atendimentos particulares. Hoje, a minha preocupação é saber qual o plano B que os planos de saúde têm, porque alguns planos são dependentes do quadro de pediatras que o [hospital] São João de Deus tem. Muitos têm planos de saúde, mas vão ter que ser atendidos na UPA”, detalha.
Nossa reportagem entrou em contato com a assessoria de imprensa do HSJD, mas fomos informados que a Superintendência do hospital ainda não se posicionou sobre o assunto, e não há previsão para que o serviço seja retomado. A assessoria informou ainda, que os pacientes estão sendo orientados a buscarem o seu plano de saúde, ou a UPA. Dos quatro hospitais em Divinópolis, apenas o HSJD atende pelo SUS.

 

Créditos: Pollyanna Martins

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.