quarta-feira, 22 de Abril de 2015 11:05h

Pesquisadora ministra palestra sobre hanseníase no ESF

A hanseníase é uma doença silenciosa. Considerada um problema de saúde pública no país, com mais de 30 mil casos novos desta doença

Esta informação é da pesquisadora científica e chefe da Equipe Técnica de Patologia do Instituto Lauro de Souza Lima, Andréia de Faria Fernandes Belone. Ela esteve em Divinópolis e palestrou para médicos, agentes comunitários e enfermeiros da Estratégia de Saúde da Família (ESF) do Belvedere II. Também participaram deste encontro um grupo de acadêmicos em medicina da UFSJ, Campus Dona Lindu.
De acordo com a referência de gestão desta unidade de saúde, Telma Alves Pinto, o encontro com a pesquisadora teve o objetivo de capacitar funcionários e colaboradores sobre a questão da hanseníase. “A intenção foi levar informação aos funcionários do ESF Belvedere II para que eles tenham instrumentos para realizar uma busca ativa deste paciente que às vezes não sabe que tem esta doença em casa”, conta Telma.
Neste sentido, a pesquisadora científica Andréia de Faria problematizou com os presentes a questão da incidência de casos de hanseníase no cenário da cidade. “Mesmo a gente tendo poucos casos de hanseníase no município a pergunta é: Temos poucos casos é porque temos mesmo ou é porque não diagnosticamos”, pontuou Andréia.
Usando da sua experiência no Instituto Lauro de Souza Lima, localizado em Bauru/SP, a pesquisadora clareou dúvidas sobre a hanseníase principalmente relativas ao seu diagnóstico. “É importante trabalhar todos os sinais e sintomas da hanseníase com todos os profissionais de saúde. A compreensão permite o diagnóstico precoce da doença o que torna mais efetivo o seu tratamento”, explica.
Em Divinópolis, no último ano, foram verificados poucos casos desta doença. “No ano passado nós tivemos nove casos registrados e em 2015 já foram detectados dois. Suspeitamos que o número de casos possa ser maior daí a importância deste tipo de sensibilização dos profissionais de saúde”,  informou  a apoio técnico da Semusa para hanseníase e tuberculose, Quem comenta é Cynthia Camila Mendes de Oliveira.
Hanseníase
A Hanseníase é uma doença infecciosa, causada por uma bactéria que atinge a pele e os nervos periféricos. Os principais sinais e sintomas são manchas na pele com perda ou diminuição da sensibilidade e ausência de pelos, dormência ou formigamento nos nervos dos braços e pernas, e caroços pelo corpo. O diagnóstico pode ser realizado nos postos de saúde e estratégias de saúde da família, e, o medicamento para tratamento é fornecido somente pelo SUS.
No mês de janeiro, mês adotado para o combate a doença, a Secretaria Municipal de Saúde promoveu uma extensa agenda no sentido de conscientizar as pessoas sobre a doença e, assim, detectar os casos suspeitos e promover o seu tratamento. As pessoas que queiram orientação ou tirar dúvidas sobre esta doença pode procurar a unidade de saúde mais próxima de sua casa.
“A proposta é que todos os profissionais que receberam esta informação passe ela adiante. O diagnóstico da hanseníase é do medido, mas suspeita de casos desta doença cabe a toda a população”, concluiu Andréia.

 

Crédito: Rodrigo Dias / PMD

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.