segunda-feira, 20 de Outubro de 2014 12:50h

Plano Complementar retira mais de 350 caminhões de aguapés

s trabalhos de retirada dos aguapés no rio Itapecerica em Divinópolis avançam cada vez mais em suas duas frentes de trabalho

Somente na última semana foram retirados mais de 120 caminhões próximo ao Campo do Guarani. Apenas nesta segunda frente de trabalho, a primeira está na junção do Esplanada com o Centro, estima-se a retirada média de 30 caminhões por dia carregados com aguapés.

A operação na segunda frente de trabalho é realizada com o auxilio de uma retroescavadeira e dois caminhões. Os aguapés retirados são encaminhados para o aterro sanitário da cidade. Segundo informações do supervisor da Defesa Civil, Gilberto Gonçalves, desde o início dos trabalhos no dia (02/10), o Plano Complementar, como foi denominado, já foi responsável pela retirada de mais de 350 caminhões de aguapés.

Os trabalhos estão sendo realizados por 13 funcionários da Prefeitura, equipados com moto-serra, ganchos âncora, foices, cordas de aço e equipamentos de proteção individual (EPI).  As ações desta equipe são realizadas, paralelamente, ao trabalho executado pela máquina “papa-aguapés”.

Segundo informações do supervisor, os aguapés não são encaminhados diretamente ao aterro, pois é necessário escorrer a água antes de transportá-los. “Após retirarmos os aguapés eles ficam aqui por alguns dias para água escorrer e eles secarem. Dessa forma, o transporte é mais fácil e rápido. Quando estão secos o volume reduz e é possível transportar uma grande quantidade em todas as viajem”, explica.

O trabalho de retirada dos aguapés é lento devido à massa de aguapés ser grande. Porém, os trabalhos vêm sendo realizados intensamente nas duas frentes de operações. “Hoje nós já conseguimos ver filetes de água, o que antes não víamos. O período de chuva que está por vir irá complementar o trabalho de limpeza. Com o aumento natural do volume da água esse restante de aguapés, naturalmente, será escoado”, ressalta o secretário municipal de planejamento urbano e meio ambiente, Willian Araújo.

Sujeira no Rio

Um dos grandes desafios encontrados nos trabalhos vem sendo a grande quantidade de lixo acumulada no rio. O volume encontrado pelas duas frentes de trabalho é grande sendo, em sua maioria, lixo doméstico como: garrafas pet, plástico, fraldas descartáveis, brinquedos, calçados, móveis entre outros. “As pessoas tem que lembrar que quando estamos sujando a rua, a porta de casa, tudo aquilo automaticamente será encaminhado para o rio. Tudo que fica parado nas esquinas, via drenagem, é encaminhado para o rio. Não basta só retirar a sujeira que está dentro do rio é preciso que a população ajude a não sujar” ressalta o secretário de Operações Urbanas, Dreyfus Rabelo.

Segundo informações dos profissionais envolvidos na limpeza, durante os trabalhos já foram retirados sofás, móveis diversos e até uma moto de dentro do rio.

Estiagem

Minas Gerais passa por uma das mais fortes estiagens de sua história, e diversos municípios já passam por racionamento de água. Devido a isso é importante a conscientização da população em relação a este momento. “Em nossa região já se fala em racionamento e desabastecimento de água em várias cidades. Divinópolis ainda é uma cidade privilegiada que não passa por isso e esperamos que não ocorra racionamento ou interrupção do fornecimento de água tratada, mas há de se lembrar aos moradores de Divinópolis que evitem gastar água desnecessariamente. Ao lavar roupas, por exemplo, é recomendado a máquina estar cheia para fazer melhor uso da água, não usar a água para varrer calçada e quintais. Essas e muitas outras iniciativas são necessárias para garantir o abastecimento de água nesse período de estiagem”, finalizou Dreyfus.

Leia Também

Imagem principal

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.