quinta-feira, 24 de Novembro de 2011 10:33h Atualizado em 24 de Novembro de 2011 às 10:36h. Cristiane Fernandes

População pode ser prejudicada devido à greve na Cemig

Ontem pela manhã, funcionários da Cemig, fizeram uma reivindicação no centro da cidade para alertar sobre a falta de negociação da empresa com os trabalhadores. Na segunda-feira eles pararam os serviços por 24 horas e o objetivo desta nova manifestação é de ficar por 48 horas em paralisação.
Segundo Celso Marcos Primo, coordenador regional do Sindicato Intermunicipal dos Trabalhadores na Indústria Energética de Minas Gerais e dos Trabalhadores da Indústria de Gás Combustível no Estado de Minas Gerais, Sindieletro, há cerca de 90 dias foi entregue aos responsáveis da Cemig, uma ata com as reivindicações dos funcionários, mas até o momento nada foi resolvido “nós entregamos uma reivindicação para a Cemig há noventa dias e a empresa não respondeu nenhum item da nossa pauta. Lembrando que os trabalhadores ficam o ano inteiro aguardando este momento de buscar melhorias e a empresa vira as costas e não atende nenhuma reivindicação dos trabalhadores” informou.


Os trabalhadores buscam diversas modificações, entre elas, melhores salários e melhorias no dia-a-dia do trabalho. Porém o objetivo dessa manifestação é exigir uma negociação e um acordo coletivo justo aos trabalhadores. Segundo Celso, além de não negociar, a empresa ainda, afrontou os funcionários. “Em uma afronta total aos trabalhadores, a Cemig ofereceu um prêmio de final de ano, aproximadamente 200 mil reais, para os cargos altos da empresa” afirmou.


Na praça da Catedral, os trabalhadores ostentavam bandeiras de protesto e cartazes com pedido de respeito, no local foi realizada uma assembleia entre eles, trabalhadores, para decidir os próximos passos da manifestação. Ao meio dia, eles foram para a porta da Câmara dos Vereadores da cidade. “Na Câmara, vamos entregar uma carta ao presidente e pedir, em nome do município de Divinópolis, uma intervenção junto ao governo do estado. Com o intuito de abrir as portas para a negociação” ressaltou o coordenador geral do Sindieletro.


Caso não haja negociação com a empresa, será realizada uma greve por tempo indeterminado, essa atitude pode trazer prejuízos para a população “são várias as possibilidades, uma delas é a greve, infelizmente a evitamos porque uma greve com tempo indeterminado traz prejuízo para a população, principalmente porque a Cemig diminuiu o quadro de funcionários” informou Celso. Antigamente quando era realizada uma greve dos eletricitários, eles revezavam em grupos de quatro pessoas para não faltar energia nas casas, mas com a diminuição do número de funcionários, segundo os trabalhadores, essa medida não será possível.


Em Divinópolis estão paralisados 90 trabalhadores e na região aproximadamente 250 pessoas aderiram a manifestação.

Leia Também

Imagem principal

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.