sábado, 12 de Setembro de 2015 06:10h Atualizado em 12 de Setembro de 2015 às 06:22h. Lorena Silva

Prazo para condutores se adequarem à exigência do extintor ABC termina em 1º de outubro

Segundo empresários, houve diminuição da procura pelo produto no município

Falta menos de um mês do prazo final para condutores se adequarem à exigência de portabilidade do extintor classe ABC nos veículos. O limite é o próximo dia 1º e, diferente do início deste ano, encontrar o extintor em Divinópolis não está sendo uma tarefa tão difícil. Por três vezes a exigência foi adiada, com a alegação da falta do equipamento no mercado, mas, desta vez, empresários alegam que houve diminuição na procura pelo produto.
Em março deste ano, uma matéria publicada pela Gazeta do Oeste mostrou a dificuldade de empresários em fornecer o produto. “A realidade é que a fábrica não consegue ainda suprir a necessidade do país. Então o volume é muito grande de carros que precisam ser trocados e as fábricas ainda não conseguem fazer isso”, justificou o empresário ligado ao ramo, Ricardo Amarante de Melo, na ocasião.
Na época, o empresário contou que a procura pelo produto era altíssima, o que fazia com o estoque da loja acabasse rapidamente.  “A procura é muito alta. O telefone não para. Quando chegam os extintores dá até fila. Quarta-feira chegaram 400 extintores, que foi a primeira remessa nossa. Se não me engano hoje já tem menos de cem no estoque.”

 

BAIXA NA PROCURA
Desta vez, Ricardo alega que houve diminuição pela procura do produto em seu estabelecimento. “A procura continua, mas deu uma diminuída, em virtude de outros pontos de venda já terem o extintor. Em março se chegasse 400 extintores em uma semana vendia tudo. Hoje a gente demora uns 15 a 20 dias para acabar com o estoque”, compara.
Segundo Ricardo, o fornecimento pelo fabricante ainda não está normalizado. “O fornecimento do fabricante ainda é regrado, existe uma cota que a gente pede e ele vai fracionando a entrega de acordo com o estoque dele. Tínhamos dimensionado que teríamos de 2 a 3 mil extintores por mês. O que chega para a gente é 300, então está bem aquém daquilo que a gente precisaria”, explica.
Já o empresário Gerson Marconi Evangelista atribui ao adiamento da exigência a diminuição da procura pelos consumidores. “Houve uma diminuição, porque até 1º de julho, naquele que era o novo prazo, o pessoal veio e comprou todo o nosso estoque. Agora, que nós estamos repondo, não [está sendo] tanto quanto antes porque a procura está sendo menor.”

 

AQUISIÇÃO DO PRODUTO
Proprietários de carros fabricados até 2009 precisam adquirir o produto, sendo que os modelos a partir de 2010 vêm com o extintor de fábrica. A multa para quem não legalizar a situação será de R$ 127,69, além da perda de cinco pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH).
Segundo o Ministério das Cidades, o objetivo da troca dos extintores de incêndio é garantir maior segurança aos motoristas e passageiros.  Os extintores ABC são mais modernos e atendem todas as classes de incêndio. O pó especial é capaz de combater princípios de incêndios em materiais sólidos, líquidos inflamáveis e equipamentos energizados.

 

Créditos: Lorena Silva

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.