quinta-feira, 20 de Agosto de 2015 10:43h Atualizado em 20 de Agosto de 2015 às 10:54h. Mariana Gonçalves

Precariedade em ruas do Jardim Alterosa revolta população, que cobra por atitude da Prefeitura

O Jardim Alterosa é onde está sendo construído o Hospital Público Regional, para chegar ao bairro pode-se usar quatro caminhos, no entanto, todos esses acessos não possuem iluminação, calçamento ou rede de esgoto

O Jardim Alterosa é onde está sendo construído o Hospital Público Regional, para chegar ao bairro pode-se usar quatro caminhos, no entanto, todos esses acessos não possuem iluminação, calçamento ou rede de esgoto. Todas as ruas do bairro são de terra, cheia de buracos, cansados de sofrer com a falta de infraestrutura, alguns dos moradores se reuniram e acionaram a equipe de reportagem do Gazeta do Oeste na intenção de que suas reivindicações possam ser mostradas aos demais cidadãos e assim, a Prefeitura de Divinópolis tome as medidas cabíveis.
Conforme nos explicou o publicitário Fabrício de Araújo, pelas ruas do Jardim Alterosa trafegam diariamente vários ônibus coletivos e também escolares, principalmente porque o bairro é próximo ao Realengo, Santo André e outras localidades.
A Rua Cabo José dos Reis Correia é a ligação entre a cidade e o Jardim Alterosa por meio do bairro Realengo. Essa via possui um trecho estreito, cercado de mata, que é utilizado por veículos de médio e grande porte, fora a população local, que transita a pé. No entanto, a poeira gerada no local, principalmente quando os veículos trafegam em alta velocidade, tem causado diversos problemas aos moradores. Pensando em amenizar a situação, a população decidiu colocar alguns recadinhos em faixas e cartazes espalhados por árvores. “Devagar, colabore com os moradores, poeira alta!” a mensagem é clara, mas ainda assim, não tem sido levada ao 'pé da letra' por quem passa por ali. Além desse problema, os moradores acabaram por descobrir que o trecho em questão nem poderia estar sendo utilizado como rua, pois parece já ter sido embargado pelo Meio Ambiente, em função de ser uma área ambiental. “Nos reunimos para colocar as faixas, porque é uma forma de pedir que os motoristas passem pelo local, mas com velocidade moderada, para nos ajudar com a questão da poeira”.
“Embora saibamos que as faixas não resolvem muito, sentimos a necessidade de, pelo menos, mostrar que estamos sendo prejudicados. Teoricamente, essa rua nem existe, em uma conversa informal com a associação de bairro, fomos informados que esse trecho nem poderia existir, e o mesmo acontece na rua acima da Cabo José dos Reis, lá, a 'rua' está passando por dento de um lote”, diz Fabrício.
A Rua Cabo João Amaral é onde o publicitário cita que um determinado trecho, que na verdade é um lote, foi aberto e atualmente está servindo como passagem. A reclamação nesse local também se remete ao excesso de poeira e a segurança, pois os veículos trafegam em alta velocidade.
Já a Rua Alceu Amoroso, é a ligação entre o Hospital Público e a Universidade Federal. O trecho é largo e também não possui iluminação, calçamento nem esgoto, é uma das preocupações da população, pois o local é bastante acessado.

 

INSEGURANÇA

O morador, Paulino João Rosa, fala sobre a insegurança no bairro, o fato de diversas ruas não terem iluminação propicia ainda mais a ação de bandidos. Já ocorreram situações em que ladrões aproveitaram a escuridão da noite para agir.

 

SAÚDE

A dona de casa, Damaris Sousa Santos Rocha, contou que a saúde dela e da família fica sempre prejudicada por causa da poeira. “A minha filha tem sinusite, bronquite e rinite, com o tempo seco desse jeito é ainda mais complicado. Meu esposo e eu estamos desempregados e quando a menina adoece é complicado. Não é somente a poeira, mas temos aqui veículos que passam em alta velocidade, na esquina da nossa casa mesmo é possível ver isso e lá sempre tem crianças brincando, ficamos com medo de acontecer alguma coisa. À noite ficamos sem iluminação, porque na rua não tem, se uma mulher, por exemplo, precisar sair, não tem como, porque no escuro é até perigoso. Tudo que precisamos comprar tem que ser na mercearia do Realengo, porque aqui no bairro não tem, então se precisarmos comprar alguma coisa à noite, não tem como”, destaca.
A também moradora do Jardim Alterosa, Célia Dias dos Santos Ribeiro, diz que já achou diversos animais peçonhentos dentro de casa, vindos do mato das ruas. “Já achei escorpião numa blusa minha, cheguei a pegar a blusa e quando vi, tinha um escorpião agarrado, daí assustei e joguei a blusa longe. Encontrei também cobra no chão da minha cozinha, é muito perigoso”, pontua.
A dona de casa comenta ainda que manter a limpeza dentro do lar é sempre tarefa difícil, é necessário tirar poeira mais de uma vez ao dia.

 

PROTOCOLO

De acordo com a assessoria de comunicação da Prefeitura de Divinópolis, o órgão não tem conhecimento dos trechos relatados, tanto na Rua Cabo José dos Reis Correia quanto na Rua Cabo João Amaral. Segundo ainda a assessoria, para que sejam tomadas as providências necessárias é preciso que a população compareça ao setor de protocolo da Prefeitura, para registrar formalmente uma reclamação sobre o problema.
Sobre a Rua Alceu Amoroso, a assessoria destacou que a via está contemplada pelo programa BDMG Urbaniza, e em breve, receberá asfaltamento. A licitação para escolher a empresa que irá executar esse serviço já está em andamento.

 

 

Créditos: Fabrício Araújo
Créditos: Mariana Gonçalves

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.