sábado, 19 de Março de 2016 04:55h Atualizado em 19 de Março de 2016 às 04:59h. Mariana Gonçalves

Preço da Cesta Básica sobe mais 1,26%, registrando alto valor em Divinópolis

O primeiro trimestre de 2016 ainda nem acabou, mas a prévia do que estar por vir não é nada agradável, além das tradicionais contas de início de ano, o bolso dos divinopolitanos tem passado apertado com o orçamento alimentício

Conforme revelou o Núcleo de Pesquisas Economias (Nupec) – ligado à Faced, em Divinópolis, o custo da cesta de alimentos básicos de fevereiro manteve a forte trajetória de elevação dos custos com alimentos básicos em Divinópolis. Pela sexta vez consecutiva, a cesta assinalou elevação, chegando aos inéditos R$ 336,81.
Com o novo valor, o custo da cesta cresceu 1,26 % em comparação ao mês de anterior. Em doze meses, o valor da cesta mantém um forte ritmo de crescimento, de 20,7%, variando de R$ 279,00 para os atuais R$ 336,81.

 

 

 

A alta do valor da cesta básica foi determinada principalmente pelas elevações dos seguintes produtos: banana, 10,37%, açúcar, 4,49%, e café em pó, 4,83%.
As cotações da banana no mercado mineiro têm sido fortemente afetadas pelo baixo nível da produtividade na região norte e pelo aumento das exportações da principal região produtora do estado. Além da queda da oferta, tem-se uma certa elevação por parte da demanda causada pela volta às aulas.
Os preços do açúcar foram fortemente influenciados pelas instabilidades climáticas e pela diminuição da oferta no mercado interno, uma vez que os produtores estão direcionando a safra de cana de açúcar para a produção de álcool.
O café ainda não está em período de colheita da safra, que se inicia em abril. Deste modo, a queda da oferta e as oscilações cambiais têm determinado as elevações do café em pó.
Veja a variação de preços de alguns dos alimentos básicos da cesta na tabela - Custo da cesta básica em Divinópolis – fevereiro de 2016, ao fim da matéria.

 

 

 

ALTA DO DÓLAR

Engana-se quem pensa que a alta do dólar não afeta a vida das pessoas comuns, afeta sim, porque puxa a inflação para cima.
Muitas matérias-primas são importadas, como trigo, gás e gasolina. Isso provoca um aumento do pãozinho, do macarrão, da gasolina, por exemplo.
Além disso, alguns produtos que são produzidos aqui no Brasil também têm seu preço atrelado ao dólar.
É o caso da soja, da carne, do café, do açúcar, do milho. Mesmo que eles sejam produzidos no país, quando o dólar está mais caro fica, é mais vantajoso para o produtor exportar. Então, se ele mantém o produto para ser vendido aqui dentro, ele vai querer receber mais por isso.
Outra maneira pela qual a alta do dólar influencia nos preços é que, com o produto importado mais caro, os produtos nacionais acabam também sofrendo um reajuste.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.