sexta-feira, 25 de Março de 2016 06:20h Mariana Gonçalves

Preços dos insumos utilizados na Semana Santa assustam consumidores

Muitos consumidores divinopolitanos tiveram que ‘espremer’ os bolsos para garantir nas refeições da Semana Santa, pelo menos, um dos insumos tradicionais deste período

O reajuste de preço nos peixes, ovos e ovos de chocolate assustou a população, que já vem sofrendo desde o início de 2016 com a alta no preço de produtos básicos da alimentação.
O estudo nos principais supermercados de Divinópolis, coordenado pelo Núcleo de Pesquisas Econômicas (Nupec), ligado à Faced, revelou grande variação de preço de um estabelecimento para o outro, dos seguintes itens avaliados: Peixes, ovos, e ovos de páscoa. O estudo foi realizado durante esse mês.
Entre os ovos de chocolate, a principal diferença de preços médios nos supermercados pesquisados foi encontrada no ovo Sonho de Valsa, da empresa de alimentos Lacta, com preços que variaram de R$ 29,90 a R$36,9, uma diferença de 23,4%.

 


Outros dados importantes observados foram as exorbitantes diferenças de preços entre os principais peixes consumidos nesta época. O quilo do bacalhau Saíth registrou uma diferença entre o valor mínimo e valor máximo de 8% e o filé de merluza apresentou uma diferença de 7%, a piramutaba 800g teve variação de 37% e a sardinha em lata chegando a uma diferença de 93% entre os estabelecimentos pesquisados.
Variações não menos importantes foram encontradas nos preços dos ovos, que registram diferença de 30,2% nos ovos brancos e 28,1% nos ovos vermelhos.

 

FIQUE ATENTO


Pescados frescos, congelados, secos ou enlatados são alimentos saudáveis, mas é preciso garantir que estes estejam realmente adequados para o consumo e não causar danos à saúde.
Peixe Fresco e Resfriado: Fresco é o pescado que nunca foi congelado e é conservado no gelo. Resfriado é o pescado devidamente conservado em gelo e mantido em temperaturas entre 0°C e -2°C.
Preste atenção na hora da compra, os peixes devem estar livres de contaminantes, como areia, pedaços de metais, plásticos e/ou poeira, sabão e moscas. Eles devem estar com as escamas bem firmes, resistentes, translúcidas (parcialmente transparentes) e brilhantes.
Pele úmida, firme e bem aderida, sem manchas, furos ou cortes na superfície. Com olhos brilhantes e salientes, sem a presença de pontos brancos ao centro do olho. Brânquias úmidas, brilhantes e de cor rosa ao vermelho intenso.
Conservados sob refrigeração ou envolvidos sobre uma espessa camada de gelo.
É importante verificar a data de validade e se embalagens estão íntegras. Devem estar firmes e sem sinais de descongelamento, como acúmulo de líquidos ou pedaços de gelo (o que indica que pode ter sido congelado novamente).
Peixe salgado e seco; o pescado seco tem várias apresentações: pescado salgado seco, pescado seco e pescado desidratado. O “pescado seco” é dessecado de forma apropriada sem a adição de sais.
O “pescado salgado seco” é dessecado inteiro e tratado com sal (cloreto de sódio).
O “pescado desidratado” é dessecado profundamente em aparelhagem adequada. Peixe enlatado ou em conserva: Pescado em conserva é armazenado em recipientes esterilizados, podendo ser vendido nas seguintes categorias:
Ao natural: é o pescado armazenado com salmoura fraca, adicionada ou não de temperos.
Em azeite ou em óleos comestíveis: é o pescado armazenado em azeite de oliva ou outro óleo comestível, adicionado ou não de temperos.

 


OVOS DE PÁSCOA

Segundo a Associação Brasileira da Indústria de Chocolates (ABICAB), a Indústria de Chocolate produziu em 2015 quase 20 mil toneladas de chocolates, o que correspondeu à cerca de 80 milhões de ovos de Páscoa.
Com o alto preço destas guloseimas, muitos consumidores estão preferindo os ovos caseiros, uma alternativa ainda barata, se comparada aos industrializados.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.