sexta-feira, 11 de Dezembro de 2015 09:22h Atualizado em 11 de Dezembro de 2015 às 09:25h. Jotha Lee

Prefeito ainda não sabe se terá dinheiro para pagar 13º salário integral

Vladimir diz que “está juntando pratinhas” para tentar os recursos

Conforme o Jornal Gazeta do Oeste antecipou em reportagem publicada na edição do dia 1º desse mês, a Prefeitura ainda não tem o dinheiro no caixa para pagamento do 13º salário dos servidores municipais e a administração não tem uma fonte de receita que possa gerar os quase R$ 20 milhões correspondentes ao pagamento do benefício. A possibilidade de ocorrer um atraso no pagamento já espalhou pelos corredores da Prefeitura e muitos servidores já dão como certo que esse ano a categoria pode passar o Natal com menos dinheiro no bolso.
Uma fonte ligada à área econômica da Prefeitura garantiu que o município ainda não tem disponível em caixa o dinheiro para pagamento do 13° salário e que está sendo feito um esforço para conseguir esses recursos até o próximo dia 20. Essa situação foi admitida pelo prefeito Vladimir Azevedo (PSDB), durante entrevista coletiva na última quarta-feira, quando ele reafirmou que as condições financeiras da Prefeitura hoje são mais difíceis do que no ano passado.
Provocado pelo Gazeta do Oeste sobre a quitação do 13º salário dos servidores, além de revelar que ainda não tem o dinheiro em caixa, Vladimir Azevedo acrescentou que não sabe se o benefício será pago integralmente no próximo dia 20, data limite para liquidar o débito. “Estamos trabalhando para honrar o 13º. Estamos juntando as pratinhas para tentar honrar na íntegra. Ainda não tenho um posicionamento concreto, definitivo, se ele será pago integralmente no dia 20”, afirmou.

 

FONTES
O prefeito não transmitiu segurança quanto ao pagamento do 13º salário, embora tenha reafirmado que pretende encerrar o seu governo deixando como um dos legados de sua administração o compromisso de manter os salários dos servidores em dia. Vladimir disse que está buscando todas as fontes de recursos possíveis para levantar o dinheiro suficiente para pagamento do benefício de fim de ano. “A Secretaria de Fazenda está trabalhando, nós estamos buscando todas as fontes de recursos possíveis e imagináveis para que a gente consiga, mas vamos ter uma posição mais precisa só na semana que vem”, acrescentou.
Diante das incertezas quanto ao pagamento do 13º salário do funcionalismo, o prefeito relembrou o compromisso de seu governo de manter os vencimentos rigorosamente em dia. “Durante esses sete anos [de mandato] eu nunca atrasei o salário e o que eu quero, com todas as dificuldades, com todos os problemas, é manter essa política e esse é um dos legados que eu quero deixar do meu governo”, ponderou.
Para Vladimir Azevedo, as modificações que serão feitas na administração a partir desse mês, estão dentro do contexto da busca de soluções que garantam manter o pagamento em dia e permitam o funcionamento mínimo da máquina pública. “Muitas vezes você tem que buscar medidas alternativas para você cumprir [os compromissos]. Não tem como você pagar a folha, se não tem dinheiro. Então você tem que tomar medidas. Ou você corta despesa, ou aumenta a receita. Aumentar receita significa aumentar imposto e nós não aumentamos. Tem um leque de medidas alternativas que podemos buscar”, analisou. “Nosso desafio para 2016 é fazer o fechamento fiscal do governo”, finalizou.

 

Créditos: Jotha Lee

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.