terça-feira, 13 de Setembro de 2016 17:47h Jotha Lee

Prefeitura diz que melhorou eficiência em saúde, educação e saneamento básico

Índice apurado pelo Instituto Datafolha diz que município tem alguma eficiência nesses serviços

Conforme reportagem exclusiva da edição de sábado do Jornal Gazeta do Oeste, o jornal Folha de S.Paulo, em conjunto com o Instituto de Pesquisas Datafolha, acaba de lançar o Ranking de Eficiência dos Municípios – Folha (REM-F), que aferiu quais prefeituras do Brasil entregam mais serviços básicos à população usando menos recursos financeiros. O Ranking leva em consideração o atendimento das prefeituras nas áreas básicas de saúde, educação e saneamento. O levantamento cobriu 5.281 municípios (95% do total) e se utilizou dos dados mais recentes disponíveis para uma base dessa dimensão (2013, 2014 e 2015). O levantamento classifica os municípios em quatro categorias: Eficiente, Alguma Eficiência, Pouca Eficiência e Ineficiente.

Divinópolis ficou numa posição incômoda no ranking, sendo classificada na categoria “Alguma Eficiência”, aparecendo classificada no 1.722º lugar entre os 5.281 municípios (95% do total) que entraram no levantamento. Ainda segundo o Ranking, Divinópolis foi a 287ª colocada no Estado, ficando numa desconfortável 22ª colocação entre os 44 municípios que compõem a região Centro-Oeste do Estado, cuja melhor avaliação foi para Pará de Minas, seguida de Piumhi e Bom Despacho.

Em nota encaminhada ao Jornal Gazeta do Oeste pela Diretoria de Comunicação, a Prefeitura reconheceu que há “algumas situações que precisam avançar” em eficiência. Entretanto, salientou que “nos últimos sete anos, a cidade registrou sucessivos processos e melhorou a eficiência na saúde, educação e saneamento básico”.

De acordo com a prefeitura, a rede municipal recebeu investimentos no ensino infantil com a construção de seis Centros Municipais de Educação Infantil (Cmei’s) e as vagas cresceram 41%. Foram reformadas 10 escolas e todas tiveram obras de acessibilidade. Afirma que os professores da rede municipal foram valorizados com a criação do Plano de Cargos, Carreiras e Salários da Educação. “Outro avanço foi a criação de 23 salas para atender jovens com dificuldade em aprendizagem. Também foi elaborado o Plano Decenal Municipal de Educação de Divinópolis, em parceira com o Conselho Municipal de Educação, para planejar o ensino da rede municipal”.

Ainda na educação, a prefeitura destaca que duas escolas funcionam em tempo integral. “O Centro Municipal de Educação Infantil (Cmei) Miguel Rodrigues Filho, neste ano, começou a funcionar e a Escola Municipal Oribes Batista Leite a partir de 2017”. Segundo a nota encaminhada pela prefeitura, o programa “Minha Cidade Lê” possibilitou à comunidade escolar desenvolver a educação usando as ferramentas de leitura e escrita para o mundo da imaginação, criança e construção de ideias e contribui para a cidade receber o selo do Ministério da Educação de “Município Livre do Analfabetismo”. “Com esses projetos, Divinópolis conquistou 6.7 no Ideb até 4ª série/5º ano e superou a meta de 6.2, de acordo com os dados apresentados pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep)”, destaca a nota encaminhada pela Prefeitura.

 

SAÚDE

 

Embora com a crise que afeta o Hospital São João de Deus, a falta de leitos e equipamentos básicos, como por exemplo, a cidade sem um tomógrafo na rede pública, e a superlotação da UPA 24h, a prefeitura garante que o sistema de saúde público também avançou nos últimos sete anos. “Foram implantadas quatro Unidades Especiais para Assistência à Saúde (UEAS), nos bairros Ipiranga, Niterói, São José e Centro, funcionando em horário diferenciado de, 18h às 22h”, garante. “As UEAS são unidades voltadas para os atendimentos clínicos e pediátricos, de livre demanda, para urgências relativas nas quais as unidades tenham capacidade instalada para tal. A equipe é formada por um médico plantonista, um enfermeiro, dois técnicos de enfermagem e atendem em média 80 pacientes ao mês desde sua implantação”, garante.

Sobre a UPA 24h, que tem sido motivo de reclamações em razão da superlotação, com pacientes atendidos nos corredores e fila de espera no atendimento, a prefeitura diz que a unidade atende aos padrões ministeriais. “Saiu de uma estrutura heterogênea e atende hoje aproximadamente 360 pacientes/dia com atendimentos nas clínicas médicas, pediátricas, cirúrgicas, ortopédicas, neurológicas e buco maxilar. Mantém uma equipe completa 24 horas por dia, sete dias por semana”, salienta. “Em 2015, o município, buscando ampliar o acesso da população à Atenção Psicossocial, implantou o CAPS AD III, propiciando a assistência 24 horas ao portador de sofrimento mental decorrente do uso abusivo de álcool e outras drogas, cumprindo assim a meta de cobertura de Centros de Atenção Psicossocial (CAPS), pactuada para 2015”, acrescenta.

Ainda segundo a nota da prefeitura, “a cobertura de Estratégia de Saúde da Família (ESF) atingiu em Divinópolis 51% da população. Atualmente, são 32 equipes espalhadas pelos bairros e comunidades rurais do município. A Prefeitura de Divinópolis aumentou em 166% o número de equipes desde 2009. O maior índice de crescimento dos números de ESF foi registrado nos últimos 10 anos. Para se ter uma dimensão, em 2007, a cobertura estava em 20,21%, com 12 equipes atuando. Atualmente, existem 32 ESFs atendendo na área urbana e rural”.

A prefeitura garante que o município também avançou em saneamento, embora sejam intensas as reclamações de esgoto a céu aberto e a demora na efetivação da construção da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) do Rio Itapecerica, contratada junto à Copasa para ficar pronta em dezembro desse ano e que, por força de um acordo, ficou para o final de 2018. Segundo a prefeitura, o município “mantém forte investimento em pavimentação. De 2013 a 2016, foram aplicados R$ 12 milhões em pavimentação. Investimentos em pavimentação somam 448 mil metros quadrados de ruas pavimentadas e mais 110 mil de metros quadrados de pavimento poliédrico. Desde 2008, a cidade recebeu, aproximadamente, 100 km de asfalto”.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.