sexta-feira, 8 de Novembro de 2019 15:12h Portal G37

Prefeitura e Forças de Segurança já se preparam para retirada dos ambulantes da rua São Paulo em Divinópolis.

A programação estabelecida para a liberação do local continua mantida para 1º de dezembro.

A retirada dos ambulantes do Centro de Comércio Popular, conhecido como ‘Camelódromo’ no quarteirão fechado da Rua São Paulo, se transformou em uma questão de segurança pública. Representantes das forças de segurança e fazendárias se reuniram nesta sexta-feira (08/11), no Centro Administrativo da Prefeitura de Divinópolis, para apoiar e ratificar a decisão já anunciada pelo Município que tem como base, uma cobrança do Ministério Público de Minas.

 

Durante o encontro, foi confirmada a informação segundo a qual, além da prática de ilícitos fiscais, o camelódromo abriga outras práticas delituosas, dentre elas o comércio de medicamentos abortivos e, até mesmo, de armas.

 

A retirada dos ambulantes atende, ainda, aos propósitos da lei de mobilidade urbana, recentemente aprovada pela Câmara Municipal e sancionada pelo prefeito de Divinópolis, Galileu Machado. Neste sentido, a ideia é ampliar o espaço ocupado pelo Centro de Comércio Popular, revitalizando o local e priorizando o tráfego de pedestres.

 

A programação estabelecida para a liberação do local continua mantida para 1º de dezembro. Alguns ocupantes das barracas já anunciaram, inclusive, o acerto com centros de comércio existentes nas proximidades, sinalizando a desocupação voluntária da área. Hoje, nenhum dos ambulantes possui qualquer tipo de autorização administrativa para permanência no local.

 

Participaram da reunião o prefeito de Divinópolis e os representantes das secretarias de Governo, Administração, Trânsito, Meio Ambiente e Planejamento, Serviços Urbanos, Procuradoria Geral do município, além de representantes da Polícia Federal, Polícia Militar, Polícia Civil, Corpo de Bombeiros e Receita Federal.

© 2009-2019. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.