sábado, 21 de Março de 2015 07:57h Atualizado em 21 de Março de 2015 às 08:38h. Mariana Gonçalves

Preservação da água é tema de apresentação dos alunos da APAE e Instituto Helena Antipoff

Com cartazes e a apresentação de peças teatrais, os estudantes da APAE de Divinópolis e Instituto Helena Antipoff, mostraram a sua preocupação e também conscientização sobre a preservação da água

Foram quase dois meses de trabalho dentro das salas de aula, sobre a importância da água em nossas vidas. Segundo a coordenadora pedagógica da APAE, Clecilia Maria Silva Maia, principalmente devido ao momento de seca que vivemos em várias partes do país, trabalhar a conscientização é algo imprescindível, daí o propósito do projeto “Água boa, do rio, do mar, da lagoa”. “Os alunos elaboraram cartazes, e juntamente com as professoras, ensaiaram peças de teatro com foco na musicalidade, para apresentar aos seus pais e convidados” destaca Clecilia.
Dentro das atividades, as professoras escolheram trabalhar com as melodias cantadas por Diana Lara, filha do musico divinopolitano Gê Lara, porque as letras falam exatamente da preservação da água, as canções passam o claro exemplo que é preciso cuidar desse bem precioso. “Apesar das limitações de cada criança, de cada jovem, percebemos que eles absorveram bem a nossa proposta, não só na escola, mas também em casa, eles passam para os pais essa preocupação com o meio ambiente”, encerra a diretora da APAE.

DIA MUNDIAL DA ÁGUA

Diante da importância da água para a nossa sobrevivência e da necessidade urgente de manter esse recurso disponível, surgiu o Dia Mundial da Água, tradicionalmente comemorada no dia 22 de março. A data foi criada em 1992, pela Organização das Nações Unidas (ONU), e visa à ampliação da discussão sobre esse tema tão importante.
A água atua mantendo nosso corpo hidratado, ajuda no transporte de substâncias, funciona como solvente, regula a nossa temperatura, participa de reações químicas, entre várias outras funções.
Apesar de o nosso planeta ser repleto de água, estima-se que apenas 0,77% estejam disponíveis para o consumo humano, em lagos, rios e reservatórios subterrâneos. Vale destacar, no entanto, que essa quantidade não está distribuída igualmente por todo o território, consequentemente, existem locais onde esse recurso é considerado bastante valioso. Em virtude dessa desigualdade de distribuição, em várias regiões ocorrem verdadeiros conflitos por água.
No ano em que as celebrações giram em torno do tema “Água e Energia”, conforme definição da Organização das Nações Unidas (ONU), a sociedade brasileira muito tem a refletir sobre os usos que têm sido feitos desse bem finito. A escolha do tema se deu, pois água e energia estão intimamente interligadas e são interdependentes, já que a geração hidrelétrica, nuclear e térmica precisam de recursos hídricos. Segundo dados da Agência Internacional de Energia, por exemplo, um aumento nominal de 5% do transporte rodoviário no mundo até 2030 poderia aumentar a demanda por água em até 20% na agricultura, devido ao uso de biocombustíveis. Outro dado da ONU aponta que cerca de 8% da energia gerada no planeta é utilizada para bombear, tratar e levar água para o consumo das pessoas. Além disso, os recursos hídricos são utilizados para a geração de energia geotérmica, que é uma alternativa para energia em países com escassez de água.
Segundo o Relatório de Conjuntura dos Recursos Hídricos no Brasil – Informe 2013, da Agência Nacional de Águas (ANA), o País possui cerca de 1.064 empreendimentos hidrelétricos, sendo 407 deles são Centrais de Geração Hidrelétricas (CGH), 452 Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCH) e 205 Usinas Hidrelétricas (UHE). Em 2012 houve um acréscimo de 3,972MW na capacidade total do sistema de produção de energia elétrica instalada no Brasil, sendo 1.843MW referentes à geração hidroelétrica, incluindo as UHE, PCH e CGH. O grande destaque na matriz energética brasileira fica a cargo da geração hidroelétrica, que representa 70% de toda capacidade instalada.

 

Crédito: Mariana Gonçalves

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.