sábado, 12 de Setembro de 2015 07:08h Atualizado em 12 de Setembro de 2015 às 07:09h. Lorena Silva

Projeto ‘Começo, meio e fim’ promove ação social no bairro Nações

A partir das 8h deste sábado, o projeto ‘Começo, meio e fim’ promove uma ação na Rua João Severino de Azevedo, próximo à Escola Estadual Antônio da Costa Pereira, no bairro Nações

O objetivo da iniciativa é debater ações que possam auxiliar na preservação do meio ambiente, levando conscientização para toda a comunidade.
De acordo com a coordenadora do projeto, a professora e pedagoga Zélia Teodoro, serão levantadas questões como economia de água, paisagismo urbano e reciclagem de lixo. Segundo Zélia, a ideia é aliar o debate ao lazer e, por isso, a ação vai contar com palhaços e brinquedos para as crianças, corte de cabelo, além de um palco livre, onde haverá apresentações musicais de artistas do município.
Outra proposta do evento é apresentar uma exposição de produtos feitos com materiais recicláveis. “Eu procuro correr atrás de pessoas que trabalham com arte e reciclagem para estarem fazendo trabalhos e expondo para valorizar essas pessoas, valorizar as pessoas que mexem com isso, que tiram os lixos da rua”, explica Zélia.

 

COMEÇO, MEIO E FIM
O projeto ‘Começo, meio e fim’ surgiu em 2012, a partir do mestrado de Zélia em direito ambiental. A professora, que começou fazendo trabalhos ambientais em escolinhas bíblicas e já trabalhava com essas questões em paralelo com outras ações sociais, conta que em seus estudos faz a junção do assunto com o espiritual, já que também estuda teologia.
“O começo fala da criação do mundo, tudo perfeito, fiz um embasamento com a pesquisa no lado teórico das coisas da natureza, como era antes. O meio fala da situação atual que estamos vivendo hoje, tudo degradado, as devastações. Já o fim é porque no apocalipse fala que a água vai ser vendida caríssima e vai realmente faltar”, revela, explicando como surgiu o nome do projeto.
Desde então, Zélia tem se dedicado às questões ambientais, ministrando palestras e promovendo ações práticas que contribuam com a preservação do meio ambiente. “Dentro das questões dessas pesquisas científicas, eu descobri que a situação do mundo é gravíssima e se a gente não começar a partir da conscientização, é difícil, porque eu acho que o foco principal é você conscientizar a pessoa e agir”, finaliza.

 

Créditos: Arquivo Pessoal

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.