quinta-feira, 4 de Agosto de 2016 14:34h Mariana Gonçalves

Projeto leva ensinamentos de Jiu-Jítsu a comunidades carentes de Divinópolis

Promover o fomento do esporte, bem como contribuir para formação e capacitação de jovens e crianças, residentes em localidades de vulnerabilidade social em Divinópolis, são os objetivos do Projeto Jiu-Jítsu Para Todos.

POR MARIANA GONÇALVES

mariana.goncalves@gazetaoeste.com.br

 

Inclusive, a ação está comemorando aniversário, amanhã completa dois anos de atividades no município. Conforme o idealizador do projeto, Leandro Beinroth, ele desenvolveu a iniciativa por meio do apoio de um amigo que executa em São Paulo uma ação social como esta. “Iniciamos o Jiu-Jítsu Para Todos no bairro Niterói, mas também tínhamos o projeto da Pantera Negra (da qual também faço parte) no bairro Danilo Passos, unificamos estas ações. Temos vários campeões mineiros, como eu tinha o espaço, o tatame, eu disponibilizei o meu tempo e agora conto com a ajuda de vários professores”, destaca.

Ainda segundo Leandro, para que o projeto possa continuar “tirando” mais crianças da rua e as levando para o esporte, o apoio de patrocinadores é essencial. “O que nos falta para destacar os meninos é o incentivo. Não é um esporte relativamente barato para que os jovens participem das competições, o incentivo que temos por enquanto é só da nossa própria equipe”, frisa Leandro.

O projeto proporcionou aos seus integrantes um campeonato local de Jiu-Jítsu, para que eles tenham essa experiência e, no caso de participarem de campeonatos grandes, tenham já uma base para tal competição. “O Campeonato Mineiro da Federação, que é o oficial, nós estamos começando a levar os meninos agora, mas por conta dos gastos, temos que ser cautelosos. Temos gastos com inscrição, transportes, por exemplo, mas dos últimos participantes que levamos, 70% foram campeões mineiros”, acrescenta o idealizador do projeto.

 

BEM AO PRÓXIMO

 

Leandro fala da satisfação pessoal em poder contribuir na formação destas crianças. “No início, recebi críticas, mas o meu intuito é tirar as crianças da droga, porque a droga atinge tanto o pobre quanto o rico, o branco o preto, ela atinge todos os seres humanos. Se de 100 crianças 90 não forem para este mundo, para mim já é um lucro. E se desses 90, na hora que chegarem na minha idade, uns cinco deles fizerem o que eu estou fazendo, é uma gratificação melhor ainda.”

Quem quiser contribuir com o projeto, o grupo precisa de kimonos, e placa de tatames. “No caso das competições, o que precisamos geralmente é de ônibus, é difícil conseguir, e o valor da inscrição dos participantes a federação dá 50% de desconto para federar, mas na parte do campeonato, eles não conseguem dar desconto”, completa Leandro.

O projeto atende jovens de 4 anos de idade a 16 anos de idade. Para doações, basta acessar a página virtual do Facebook, digitando Projeto Jiu-Jítsu para Todos, ou entrar em contato por meio do 37 9 9974 1098 (falar com Cristiano).

 

ATENDIMENTO

 

Além do esporte, a ação social desenvolve um trabalho psicológico com os jovens. A psicóloga Nátalia Soares Silva comenta sobre suas atividades com as crianças. “A gente trabalha com o atendimento da criança lá no momento, porque são diversos tipos de demanda, não tem como a gente clinicar, atender diretamente cada criança, até porque, no bairro Candidés, por exemplo, temos frequentes 78 crianças, e no Niterói 60 crianças, então não tem como manter clinicamente o atendimento. Mas atendemos aquela demanda primária da criança e com os pais quando necessário”, explica.

Ainda conforme Natália, a partir da próxima terça-feira, será realizado um projeto com um grupo de pais, nos moldes do “Amor Exigente”, “porque lá é um bairro mais vulnerável, com uma situação de maus tratos e drogas mais crítica que nos outros bairros que atendemos. Precisamos de um atendimento psicossocial, que não é atender somente as crianças”, finaliza.

 

TARDE DA ALEGRIA

 

A equipe está organizando para o final deste mês uma ação intitulada Tarde da Alegria. O evento irá atender não somente as crianças que participam do projeto, mas a comunidade no geral. Serão colocados à disposição das crianças brinquedos, como pula-pula, e apresentação de teatro. Sobre este evento, outras informações serão divulgadas na página do projeto na internet logo que a equipe fechar as datas.

O projeto atende mais de três bairros na cidade. “No Candidés, que é onde atuo, temos várias ações, por exemplo, temos um grupo que arrecada cestas básicas para serem distribuídas mensalmente para as famílias carentes que residem lá. Lá trabalhamos com o slogan ‘Transformando Vidas’. Temos três professores disponíveis para dar aula para as crianças lá, já estamos trabalhando com o bairro Candidés há cinco meses, e devido a isso, notamos a necessidade de uma atenção especial, de um carinho”, completa o coordenador das ações no bairro Candidés, Cristiano Neves.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.