terça-feira, 6 de Janeiro de 2015 06:24h Atualizado em 6 de Janeiro de 2015 às 06:44h. Mariana Gonçalves

Protesto marca indignação com o reajuste da tarifa de ônibus

A ação ocorreu em frente à Prefeitura de Divinópolis no início da tarde de ontem

O reajuste da tarifa de ônibus anunciado na semana passada pela Prefeitura de Divinópolis gerou grande descontentamento na população. Isso porque a passagem de R$ 2,60 agora passa a custar R$ 3, um aumento abusivo segundo os ativistas que se reuniram na frente da Prefeitura ontem.
A intenção do grupo era chamar a atenção do prefeito Vladimir Azevedo e, de forma geral, comunicar aos demais moradores de Divinópolis as irregularidades analisadas pelo grupo sobre o processo de reajuste. O estudante Marlon Ferreira conta que a discussão sobre o aumento na passagem do coletivo vem ocorrendo desde o ano passado, no entanto, o grupo composto por representantes de movimentos sociais da cidade – formada exatamente para ter voz dentro desse processo – denominada Frente de Luta Pelo Transporte Público e de Qualidade de Divinópolis, encontrou diversas dificuldades em conversar com o prefeito e demais responsáveis pelos trâmites do reajuste.
“Estamos em um diálogo com a Settrans há alguns meses e toda vez que pedimos a documentação referente ao projeto de estudos desse reajuste eles não passam, nos enrolam, e às vezes nos entregam parte dos papéis. Se eles estão aumentando, existe um método de base para isso e é o que queremos saber. Quais os métodos usados para esse aumento. A nossa equipe técnica realizou alguns estudos e verificamos que esse aumento proposto por eles à tarifa está muito onerado”, explica Ferreira.
Com cartazes, apitos e alguns instrumentos musicais, os manifestantes pararam por alguns minutos os ônibus que passaram pela Rua Pernambuco sentido Avenida Getúlio Vargas. Os gritos chamavam os divinopolitanos para que se opusessem ao reajuste. Segundo Ferreira, a mobilização é para que principalmente a qualidade do serviço oferecido aos cidadãos seja discutido, pois o valor pago seria, na realidade, uma consequência desse processo. “Se a tarifa estiver no bojo da qualidade, também iremos a discutir. Mas a Frente visa discutir a qualidade do que está sendo nos oferecido”, destaca.

 

 

MINISTÉRIO PÚBLICO
O grupo pretende envolver o Ministério Público nas negociações. “Já sentamos com o advogado da Frente, o Gabriel Tavares, e vamos entrar com três ações: duas ordinárias e um mandato de segurança pedindo uma liminar que garanta a volta da tarifa para R$ 2,60. Lembrando que os estudos que já fizemos apontam um valor até menor que esse, mas queremos fazer uma discussão dentro da qualidade e, se dentro dela observarmos um outro valor, colocaremos para discussão também”, conta o estudante.

 

 

ENTENDA
O Decreto Municipal 11.687/2014 dispõe sobre reajuste da tarifa a ser praticada no sistema de transporte coletivo de passageiros urbano e rural de Divinópolis. O novo valor foi definido pelo governo municipal depois de estudos técnicos realizados pela Settrans e Conselho Municipal de Trânsito e encaminhados ao prefeito Vladimir Azevedo. Para definir o reajuste do vale transporte na cidade foram considerados fatores que pesam na planilha do Consórcio Transoeste, que é o responsável por esse serviço na cidade.
Entre outros itens, constam nessa planilha o aumento dos salários dos funcionários que compõem o consórcio, aumento dos custos operacionais acima da inflação como combustíveis e manutenção da frota e a modernização dos ônibus que atendem a população, com 100% de acessibilidade garantida e baixa emissão de poluentes.
Em nota, a prefeitura informou na semana passada que o reajuste proposto pela Transoeste elevaria o valor do vale transporte para R$ 3,20. Após estudos realizados pelo setor técnico da Settrans e referendado pelo Comutran foi definido o reajuste do vale transporte para R$ 3,03.
No entanto, o Decreto Municipal assinado pelo prefeito fixa o valor do vale transporte, em tarifa padrão, a R$ 3 e estipula o valor de R$ 2,85 para vale transporte na modalidade de tarifa especial. A diferença é que no primeiro caso o pagamento é feito em dinheiro e o segundo por meio do cartão Divpass, que foi instituído pelo Decreto 7831/2007.

 

Nota
No fim da tarde de ontem (05), a assessoria de comunicação da prefeitura enviou nota informando que: “O secretário de governo, Honor Caldas, o secretário de trânsito e transporte, Simonides Quadros, o procurador do Município, Rogério Farnese, e o assessor especial de governo, João Luiz de Oliveira; se reuniram, com grupo de representantes da sociedade civil que questionam o reajuste estabelecido para o transporte coletivo. Deste encontro ficou definida uma agenda técnica. O primeiro passo é o envio da planilha de custo do transporte coletivo para que os representantes deste movimento conheçam as bases que sustentam esse reajuste”.

 

Crédito: Mariana Gonçalves

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.