terça-feira, 28 de Abril de 2015 09:52h Atualizado em 28 de Abril de 2015 às 09:54h. Lorena Silva

Quarteirão fechado da Rua São Paulo recebe novas árvores

Nove ipês foram plantados na Praça Jovelino Rabelo, em frente à Câmara. Espaço foi revitalizado recentemente

Depois de ter sido revitalizada, com entrega em setembro do ano passado, a Praça Jovelino Rabelo – conhecida como quarteirão fechado da Rua São Paulo – recebeu arborização esta semana. No local foram colocadas nove árvores de ipê branco e roxo.
A arborização finaliza o processo de revitalização do espaço que, segundo o secretário de Operações Urbanas, Dreyfus Rabello, teve o objetivo de deixar o visual do lugar mais moderno e acessível para a população. “Esse espaço permite maior fluidez das pessoas que por ele passam ao mesmo tempo em que dá condição para um breve descanso na correria do dia-a-dia.”
“Para isso, foi proposto um novo projeto paisagístico e de jardinagem que busca integrar as pessoas com a praça que interliga duas ruas importantes”, emenda o secretário. Para Dreyfus, além das árvores melhorarem o ar da região e tornar a praça mais bonita, as plantas vão poder contribuir com sombra para as pessoas que se sentam ou passam pelo local.

 

REVITALIZAÇÃO
A revitalização da praça teve início em maio do ano passado e a entrega do novo espaço foi realizada em setembro. A obra foi feita pela empresa do ramo civil BRZ Empreendimentos, em parceria com a Prefeitura. O recurso utilizado na reforma foi de aproximadamente R$ 300 mil.
O local recebeu o nivelamento de passagem, colocação de piso antiderrapante, reordenamento e realinhamento de bancos, sinalização indicativa para pessoas com mobilidade reduzida, paisagismo, iluminação específica para a nova área de praça e, nesta semana, a nova arborização.
Na ocasião em que as obras tiveram início, a discussão era de que o espaço estaria abandonado pelo poder público. Uma matéria da Gazeta do Oeste de abril do ano passado abordou a situação do local. Segundo a publicação, durante todo o dia o quarteirão ficava lotado de lixo e, durante a noite, era tomado pelos moradores de rua, que armavam barracas para dormir, transformando o local em um verdadeiro acampamento.

 

 

Crédito: Lorena Silva

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.