Regional de Saúde de Divinópolis promove Oficina de Abordagem Intensiva ao Fumante.

Teve início nessa quarta-feira (12/02), para 102 profissionais da Atenção Primária dos 53 municípios da Macrorregião Oeste, a Oficina de Capacitação de Abordagem Intensiva ao Fumante - Programa Nacional de Controle do Tabagismo (PNCT). No próximo dia 19, os profissionais voltam a se reunir para dar continuidade à oficina.

Realizado no auditório da Universidade Federal de São João Del Rei, o encontro promovido pelo Núcleo de Atenção Primária da Regional de Saúde de Divinópolis (NAPRIS) e pela Secretaria Municipal de Saúde de Divinópolis, tem o objetivo de qualificar os profissionais para oferta do tratamento ao tabagismo, visando a realização dos grupos de cessação do tabagismo em todas as Unidades Básicas de Saúde na macrorregião oeste

Para uma maior abrangência do conteúdo, houve a apresentação do Programa Nacional de Controle do Tabagismo, o formato e proposta de realização dos grupos de tabagismo a serem realizados, prioritariamente, na Atenção Primária, como sessões, apoio medicamentoso o registro dos atendimentos e sessões realizadas, uso das Práticas Integrativas e Complementares e relato de experiências.

A referência técnica do Programa Nacional de Controle do Tabagismo da Regional de Saúde, Cecília Godoi Campos, destacou a importância desta capacitação como forma de promover a qualificação dos profissionais e promoção da oferta dos grupos de cessação do tabagismo nas equipes de Atenção Primária.

“Esperamos profissionais qualificados para oferta dos grupos de abordagem intensiva ao fumante e ações de promoção em todas as Unidades Básicas de Saúde da região para que haja ampliação da oferta do tratamento visando a diminuição da prevalência de fumantes e a consequente morbimortalidade relacionada ao consumo de derivados do tabaco”, ressaltou a referência.

A Enfermeira e apoio técnico do Programa de tabagismo do município de Divinópolis, Raquel Bassalo Vilela, explicou a importância de se verificar com as pessoas o desejo de parar de fumar. Para isto, ela explica, é necessário fazer uma avaliação clínica individual deste fumante para perceber o grau de dependência e levantar o histórico deste paciente para saber quando começou a fumar, os motivos, a idade em que iniciou. “ Precisamos identificar e acolher para fazermos uma boa avaliação e intervindo e tratando os pacientes. É verificar se a pessoa tem desejo de parar de fumar, mesmo que ela relate a dificuldade de parar de fumar. E isto só conseguimos identificar fazendo uma boa avaliação clínica”, destacou a enfermeira do município.

Tratamento contra tabagismo no SUS

O Sistema Único de Saúde (SUS) oferece tratamento para o tabagismo, sendo necessário procurar uma Unidade Básica de Saúde (UBS). A SES-MG, em parceria com o Ministério da Saúde, Instituto Nacional de Câncer (INCA) e municípios, oferece acompanhamento, monitoramento e capacitação para profissionais de saúde, medicamentos e material didático.

O objetivo é apoiar os grupos de tabagismo e atendimento médico e psicológico oferecidos nos municípios pelo SUS. O tabagismo está associado ao desenvolvimento de câncer de boca, câncer de pulmão, doenças do coração, bronquite e enfisema, derrame cerebral e doenças infectocontagiosas, dentre elas a tuberculose.

 

 

Fonte - SES-MG

© 2009-2020. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.