segunda-feira, 29 de Junho de 2015 10:41h Atualizado em 29 de Junho de 2015 às 10:44h. Pollyanna Martins

Rodrigo Marim, “O Sequestrador”, se apresentou pela segunda vez em Divinópolis

Mais uma vez o paulista de Vinhedo trouxe o seu show para a cidade

Ele exala simpatia, e é impossível tirar os olhos dos seus lindos olhos azuis. O paulista de Vinhedo tem 26 anos e leva a mulherada ao delírio em seus shows. Rodrigo Marim, mais conhecido como “O Sequestrador” esteve em Divinópolis pela segunda vez, na boate Lux Lounge, e como sempre a casa estava cheia. O cantor, que começou a sua história com a música aos 7 anos, conta que o “sertanejo raiz” sempre esteve em suas veias.
Aos 16 anos, Rodrigo formou uma dupla com Ryan, mas a parceria durou apenas um ano, em uma fase que ele decidiu cursar Veterinária. Porém, a paixão pela música falou mais alto e “O Sequestrador” voltou para o mundo sertanejo aos 18 anos. “Foi uma fase que eu estava indeciso se eu queria cantar, ou dar uma satisfação para a sociedade. Mas a dupla acabou numa boa, daí eu acabei o colegial e comecei a cantar no bares da minha cidade”, conta.
Apesar de viver em um mundo em que as duplas têm mais visibilidade, Rodrigo diz que não se arrepende de seguir carreira solo. Muito pelo contrário, ele afirma que a estabilidade é maior. O cantor recorda que no início da carreira, tinha apenas Eduardo Costa em carreira solo no mundo sertanejo, e que ele enfrentou preconceito para mostrar o seu trabalho.
“As casas tinham um pouco de preconceito para contratar cantor solo. Aos poucos as casas da minha região mesmo me deram oportunidade e foram contratando, e eu mostrei que dá para fazer o show do mesmo jeito que uma dupla faz. Agora, todo mundo sabe que existe cantor solo sertanejo. A gente vê muitas duplas sertanejas separem, e quando voltam às vezes não é a mesma coisa, e com o cantor solo não tem esse problema”, brinca.  
Para Rodrigo, a escolha do estilo sertanejo para seguir carreira foi fácil. O cantor relembra que ele e o pai sempre ouviram clássicos, como Chitãozinho e Xororó, Christyan e Ralf, João Mineiro e Marciano, Trio Parada Dura, Tião Carreiro, entre outros. “Eu sempre gostei de sertanejo. A gente morava em uma chácara onde tinha cavalo, galinha, e aí é mais forte o contato com o sertanejo, e não tem como não escutar essas músicas.”
Hoje, Rodrigo está no início do seu sonho e conta que não sabe bem de onde surgiu o título de “O Sequestrador”. A única lembrança que o cantor tem de ter ganhado o título é uma selfie, que ele tirou dentro do carro enquanto esperava a mãe e postou no Instagram. Após a publicação da foto, vários comentários foram feitos e Rodrigo desde então é “O Sequestrador”.
“Depois dessa foto, as minhas redes sociais começaram a crescer e eu virei “O Sequestrador”, mas eu não sei ao certo de onde surgiu, mas pegou. No começo eu fiquei com receio, porque meu nome vinculado com sequestro, mas depois eu vi que as mulheres estavam querendo ser sequestradas, querendo que eu fizesse coisas horríveis, e aí abracei a causa e virei o sequestrador de corações”, diverte.

 

SUCESSO NA INTERNET
Após o sucesso com a foto na internet, Rodrigo lançou a música “O Sequestrador”, que já tem mais de 600 mil visualizações no Youtube. O cantor, que é famoso também nas redes sociais (na sua página no Facebook já são 1,6 milhão e no Instagram são 332 mil seguidores), conta que escolheu o #sertanejoromânticosafado por poder misturar romantismo e malícia nos repertórios dos shows e que lida bem com o assédio das fãs.
“Eu fico muito feliz com esse sucesso na internet, eu procuro sempre retribuir da maneira que eu consigo, tento responder ao máximo de pessoas nas redes sociais. Às vezes, algumas meninas extrapolam um pouco, porque eu gosto de apimentar, e o sertanejo romântico safado não tem um ritmo, é um olhar no palco, uma passada de mão no cabelo, alguma coisa que sensualize. No olhar a gente consegue dizer muitas coisas, eu consigo passar algumas coisas no olhar”, detalha.

 

MINAS GERAIS
Em sua segunda apresentação em Divinópolis, Rodrigo encheu “a casa” e levou a mulherada ao delírio. Ele garante que tem um carinho muito grande por Minas Gerais, e que fica feliz com a recepção calorosa da cidade. “Minas Gerais é muito carinho. Da última vez que eu estive em Divinópolis rolou um sequestro, e a mulherada daqui é top. Essas mineiras deixam o sequestrador doidinho.”

 

FUTURO
São muitos projetos para o futuro. Rodrigo conta que na próxima semana irá assinar com uma gravadora e serão incluídas três novas músicas: “Foi Ficando Sério”, “Estilo Cafajeste” e “Deu Ruim”. O lançamento de um novo CD para daqui três meses também está nos projetos do cantor. “Tem muita novidade para acontecer. A gente tem o projeto de DVD também. Eu gostaria que fosse na minha região, mas tem lugares que nós estamos muito fortes também, como Minas Gerais. Então o local para a gravação do DVD ainda vai ser escolhido”, adianta.

 

Crédito: Reprodução

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.