quinta-feira, 9 de Junho de 2016 13:56h Atualizado em 9 de Junho de 2016 às 16:12h. Plínio César

Moradores cobram das autoridades melhorias em ruas do bairro Belvedere

Vários buracos, pedras soltas, falta de quebra-molas e reparos mal realizados pela Copasa são algumas das reclamações das pessoas que moram no bairro Belvedere, em Divinópolis

POR PLÍNIO CÉSAR

gazeta@gazetaoeste.com.br

 

Nossa reportagem passou por vários locais, entre eles a Rua Montevidéu, Rua La Paz e Rua Caracas e, em cada uma, ouvimos as reinvindicações dos moradores. 

 

RUA MONTEVIDÉU

Começamos nosso trajeto na Rua Montevidéu, a mesma possui calçamento de pedras e é localizada na entrada de acesso do bairro. No local, constatamos vários buracos e pedras soltas, onde circulam com frequência lotações, caminhões, carros e motos.

Fabiana Aparecida Barbosa é comerciante e mora no local vizinho da cratera, ela relata que já ligou para a Companhia de Saneamento de Minas Gerais (COPASA), mas não conseguiu resolver o problema. “Sempre que temos problemas como estes, ligamos para a Copasa e, normalmente, eles demoram a solucionar o problema e quando solucionam, o fazem mal feito, deixando vários buracos na rua. Eu, que uso veículo para sair de casa, é complicado, pois a cratera está na frente do portão e, por isso, tenho dificuldade para manobrar o carro. Aqui também passam lotações constantemente e carros o tempo todo, esse problema atrapalha todo mundo” completa.

A comerciante deseja que a Copasa possa resolver o problema de uma maneira mais eficaz, e solicita o asfaltamento imediato do local. Outros moradores abordaram nossa reportagem reclamando da existência de um esgoto a céu aberto que passa embaixo da rua e que o mesmo causa mau cheiro no local.

 

 

 

RUA LA PAZ

Saindo da Rua Montevidéu, nossa equipe foi em direção à Rua La Paz, o local também é de calçamento de pedras. Além da grande circulação de lotações e carros, na rua existem várias partes com buracos. Em frente à Igreja Cristã Maranata, localizada próximo a uma borracharia, estão várias crateras nos dois sentidos da via, onde, no local, há pedras soltas.

Mauro Sérgio Nakamura é porteiro e ajudante na Igreja que fica em frente ao buraco, segundo ele, o problema existe a cerca de dois anos, ele conta que viu uma mulher quase levar uma pedrada por causa da situação da rua. “Esse buraco nos traz muito incômodo, aqui já vimos pedras voarem e bater nos carros. Houve uma vez que uma mulher passou próximo da cratera e voou uma pedra em cima do veículo que era dela e estava estacionado. A sorte que ela não estava próxima, mas, infelizmente, houve danos materiais e amassou o carro”, completa Mauro. 

 

 

O pintor e dono de uma horta em frente ao buraco na mesma rua, Edmar da Silva, está preocupado com o fluxo de veículos na pista esburacada, “esses buracos estão um perigo, pois um carro quase já capotou aqui. Uma hora vão acontecer acidentes, pois, enquanto um desvia por um lado, outro carro na direção contrária faz o mesmo, aumentando o risco de acontecer algo”. E ressalta que, “eu e nossos irmãos da igreja tivemos que comprar 20 latas de areia e quase dois sacos de cimento para tentar consertar este buraco”.  Edmar afirma que, no local, muitos carros tiveram seus pneus estourados por conta desta situação. Hilton Nascimento Martins é morador do bairro e possui uma borracharia em frente aos buracos e conta que “nós recebemos clientes em nossa borracharia constantemente por causa desse problema”, completa o borracheiro. Ele afirma que a COPASA, quando realiza os reparos, traz produtos oriundos de restos de casa para fazer o conserto e, por isso, a situação continua do mesmo jeito.

 

 

 

RUA CARACAS

O último local que nossa reportagem passou foi a Rua Caracas, a mesma conta com asfalto feito com britas e que, no momento, está se desfazendo.  Além dos buracos, os moradores relatam que a brita se solta com facilidade, atingindo as casas.  A costureira, Irene da Silva Moreira, mora em frente aos buracos e afirma que a alta velocidade dos carros é um risco e sugere uma solução para o problema, “os carros passam muito rápidos, além de perigoso, isso ajuda a danificar a rua. Já houve acidentes aqui na esquina (com a Rua Brasília) por causa da alta velocidade deles. Um asfaltamento de melhor qualidade e um quebra-molas ajudaria a resolver este problema”, completa. “A Prefeitura sempre tampa os buracos, mas depois surgem mais três ou quatro. Estão todos sendo remendados e isso, infelizmente, não resolve. A última vez que eles vieram consertar foi há dois meses e já está tudo desse jeito”, finaliza a costureira.

 

 

 

AUTORIDADES RESPONDEM

Em nota da Prefeitura de Divinópolis, ao Jornal Gazeta do Oeste, afirma que a Secretaria de Operações Urbanas colocou na programação e vai verificar a demanda dos moradores do bairro Belvedere nos próximos dias. Já a Copasa, informa que, a recomposição asfáltica das ruas Montevidéu e La Paz serão executadas até sexta-feira (10). Sobre o odor exalado na Rua Montevidéu, a Copasa informa que o problema foi decorrente do rompimento da rede interceptora de esgoto, devido às chuvas, mas que a manutenção já foi executada.

 

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.