quarta-feira, 30 de Janeiro de 2013 09:09h Daniel Michelini

Ruas esburacadas continuam causando revolta

Bairro Lagoa dos Mandarins vem sendo castigado pelo período chuvoso. Além dos buracos, lotes com mato alto causam preocupação

mais visíveis. Durante o mês de janeiro, a reportagem da Gazeta do Oeste mostrou que, em diversos bairros, o problema é constatado. Em alguns, os órgãos públicos já tomaram devidas providências, como na Avenida Brigadeiro Cabral, no bairro Interlagos. Durante a época de chuva, as preocupações com os problemas relacionados à estrutura das vias são redobradas.
No entanto, os buracos continuam insistem em aparecer, e cada vez maiores. No bairro Lagoa dos Mandarins, às margens da MG-050, estão localizadas diversas casas populares, provenientes do programa governamental Minha Casa Minha Vida. Além das residências, o bairro possui grande quantidade de sítios e chácaras, utilizadas em finais de semana por diversas pessoas.
A entrada do bairro, na Avenida 1, está castigada. Com grandes buracos na rotatória que dá acesso ao Lagoa dos Mandarins, os motoristas precisam ter maior atenção ao trafegarem por ali. No local passam caminhões e ônibus coletivos, além de outros veículos mais leves.
O carpinteiro Wladmir Reis afirma que o problema precisa ser resolvido urgentemente, uma vez que, apesar de ser um bairro afastado, há um grande fluxo de veículos: “Aqui tem muitas casas e carros. Pessoal passa pela rotatória quase sempre para entrar no bairro”. Não é só risco de acidentes que os buracos oferecem. Diariamente, milhares de carros estão sendo danificados aos poucos pelo desgaste que os buracos causam nos veículos. Wladmir disse ainda que os buracos atrapalham as condições dos veículos: “O carro sofre traumas na suspensão e no alinhamento. Ele pode empenar a roda e até estourar um pneu” diz.
Ainda no bairro Lagoa dos Mandarins, a rua Valdomiro R. Lima é outra que vêm sofrendo com as chuvas, abrindo buracos no meio das vias. Em todo o bairro, a maioria das ruas possui asfaltamento, dando melhor infraestrutura ao local. Entretanto, os buracos continuam aparecendo: “Toda vez que chove, é desta maneira. Os motoristas, ás vezes, precisam passar pelas outras ruas para evitarem entrar no buraco. É quase inevitável para quem passa por aqui”, reclamou o morador Camilo da Silva.
Outra reclamação feita pelos moradores é em relação ao mato alto em alguns pontos do bairro. Próximo à entrada do bairro, existem lotes que, aparentemente, não possuem manutenção frequente: “Pelo que sei, em época de chuva, fica ainda maior o risco de dengue. Muita gente joga lixo nesses lotes, o que agrava ainda mais a situação”, revelou Camilo.
Atualmente, os lotes estão repletos de entulho, o que, segundo os denunciantes, é jogado também pelos próprios moradores do local, que aproveitam a situação para utilizar a cratera como depósito de lixo, principalmente de restos de materiais de construção.
A reportagem procurou contato com a assessoria de imprensa da Prefeitura Municipal de Divinópolis para que tivéssemos um parecer do órgão sobre o assunto. Até o fechamento desta edição, não obtivemos resposta.

Leia Também

Imagem principal

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.