quinta-feira, 18 de Fevereiro de 2016 08:52h Mariana Gonçalves

Sem funcionários, Cmei do Terra Azul continua fechado, mas Prefeitura afirma que vai funcionar

Conforme mostrado pelo jornal Gazeta do Oeste na edição do último sábado, a situação do Cmei Maria Lúcia Gregório, no bairro Terra Azul, voltou a preocupar a população

A opção de um possível fechamento da unidade até hoje não foi descartada, esse ano, o Cmei nem chegou a abrir as portas, devido ao baixo número de matriculados, inclusive muitos pais foram pegos de surpresa com esta situação.
Os estudantes cadastrados na unidade Maria Lúcia Gregório foram transferidos para a
Escola Municipal Antonieta Fonseca, no Quinta das Palmeiras. De acordo com a diretora do Cmei, Gilmara Cordeiro Telles, ao verificar que a instituição estava apenas com 41 crianças matriculadas, ela informou à Secretaria Municipal de Educação e a mesma lhe forneceu a opção de aglutinar estes estudantes na Escola Antonieta Fonseca, a proposta foi acatada – levando em consideração, principalmente, o fato de o espaço físico da outra unidade ser melhor do que Cmei.

 

 

DESENCONTRO DE INFORMAÇÕES

Uma posição oficial por parte do Prefeito Vladimir Azevedo para esta situação do Cmei estava sendo esperada no decorrer desta semana, conforme mencionamos na matéria anterior. Nossa equipe de reportagem entrou em contato ontem com a assessoria de comunicação da Prefeitura de Divinópolis, e a resposta que obtivemos era de que em momento algum a administração falou em fechamento definitivo da instituição e que irá manter uma turma na escola do Quinta das Palmeiras, e outra na unidade do Cmei do Terra Azul – atendendo aos pedidos da comunidade.

 


Em conversa com a diretora do Cmei, ela destacou que não estava sabendo desta decisão de funcionamento da unidade no Terra Azul, inclusive, comentou com nossa reportagem que esteve na Secretaria de Educação na data de ontem, tentou agendar um horário para conversar com a secretária responsável pela pasta, mas não conseguiu.
Além disso, Gilmara contou que, fora ela, não há nenhum profissional no Cmei do Terra Azul, fato esse que inviabiliza o funcionamento do mesmo.
Está sendo programado para hoje uma mobilização na porta do prédio da Prefeitura, o ato, organizado pela comunidade do Terra Azul, pretende cobrar do prefeito um desfecho para este episódio, que já vem sendo arrastado desde o ano passado.

 

 

RELEMBRE

Como já foi noticiado pelo Gazeta, o imóvel onde hoje está o Cmei Maria Lúcia Gregório não é um local adequado para receber o ensino infantil, não está dentro dos padrões do Pró-Infância, definidos pelo Governo Federal. O imóvel recebeu alguns improvisos para que pudessem abrigar os pequenos estudantes.
Em Abril de 2015, o secretário municipal adjunto de educação, João Renato, em uma reunião no centro, anunciou para a comunidade que o local seria fechado, devido ao baixo número de crianças matriculadas na instituição. Foram realizadas diversas discussões, a população pressionou e a secretaria de educação voltou atrás na decisão.

 


Na ocasião, Gilmara se dispôs a assumir junto com a comunidade a briga pelo não fechamento da unidade, porque havia número suficiente de crianças para ter o Cmei em funcionamento, fato esse que não ocorreu neste ano. “Informei na Semed o número real de alunos matriculados, pois, esse ano, estamos com 41 e a Lei Orgânica exige o mínimo de 60 alunos”, informou Gilmara.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.