sexta-feira, 27 de Setembro de 2013 08:29h Atualizado em 27 de Setembro de 2013 às 09:03h. Bianca Damas

Seminário aborda história do reinado e da cultura afro-brasileira

Desde 2011, o reinado é considerado bem imaterial de Divinópolis. O resgate da tradição e da cultura afro-brasileira valoriza e registra a história da cidade. Com o intuito de debater sobre este tema, participantes do Congado, comunidade e historiadores p

Desde 2011, o reinado é considerado bem imaterial de Divinópolis. O resgate da tradição e da cultura afro-brasileira valoriza e registra a história da cidade. Com o intuito de debater sobre este tema, participantes do Congado, comunidade e historiadores participaram do Seminário “Patrimônio Imaterial, Memória e Cultura Afro-Brasileiro em Divinópolis”.

 


“O reinado deve ser visto de uma maneira mais ampla. Afinal, é uma política pública de cultura, por ser considerada como um patrimônio. O direito
à manifestação religiosa é garantido por lei, por estar relacionado com a organização do país, da sua estrutura também urbana e social”, explica a especialista cultural, Patrícia Brito.  Ainda conforme a especialista, o Congado é uma festividade brasileira que traz em sua simbologia vários personagens memoráveis, danças e cânticos, organizados por cada Irmandade e que representam ações culturais.
Além de Patrícia, os historiadores da Secretaria Municipal de Cultura (Semc), Faber Clayton e Karine Mileibe, apresentaram uma palestra abordando a cultura afro-brasileira em Divinópolis desde o século XVIII, quando existia o Arraial do Espírito Santo do Itapecerica.

 


No evento, alguns curiosos compareceram. “Sempre admirei o reinado. Temos que reconhecer o que é bom e resgatar a dignidade do ser humano, discutindo algo que representa um ponto de resistência da cultura afro-brasileira”, o investigador de polícia, Marcelo Martins Corrêa.
Algumas pessoas também participaram do seminário para debater sobre o patrimônio cultural. “Faço estágio na área de patrimônio e percebo que o registro do reinado como patrimônio cultural é importante para a sociedade enquanto lembrança das nossas raízes”, afirma a estudante de arquitetura Dalva de Sousa. 
O evento compõe a 4ª edição da “Jornada Mineira de Patrimônio Cultural”, que ocorre em várias cidades mineiras. Neste ano, o evento tem como tema “Griôs – Disseminadores da Cultura Africana”.

Leia Também

Imagem principal

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.